Batman v. Superman: Dawn of Justice – Desconstrução, reconstrução e origem dos Super-Heróis no universo cinematográfico da DC – Parte 2

Então, um dia eu resolvi fazer uma análise sobre o nada popular filme Batman v. Superman: Dawn of Justice, e o filme tinha três horas e eu tive que dividir um texto enorme em dois textos grandes. Pois bem, sejam bem-vindo à parte 2 da análise.

Poster2

No texto passado vimos Bruce Wayne desenvolver um atrito ideológico contra o Superman ao mesmo tempo em que Clark Kent desenvolve um atrito ideológico contra o Batman e ambos os atritos se baseiam nas pessoas que ambos os heróis deixam morrer pra fazer seus trabalhos. Claro que com o twist de que todas essas mortes são cometidas por Lex Luthor que quer ver os dois desenvolverem essa inimizade. Então na metade do filme, quando uma senadora que também era inimiga de Luthor, Finch, chama Superman para responder pelas mortes colaterais de suas ações e declarar de que lado ele se posiciona em relação às Leis e a autoridades em geral e sua responsabilidade por suas ações, pois bem, Luthor aproveita a deixa para explodir a câmara com Superman dentro, matando Finch, e garantindo que a mídia vá associar Superman ao atentado.

Midia

Superman faz questão de salvar os que ele consegue, mas são poucos. Ele entrega uma mulher ainda viva para um policial que agradece, meio sem graça e tentando não encarar o Superman. Ele vê os mortos cobertos em sacos pretos voa para longe, refletir sobre o que aconteceu e sobre como mais uma vez, vários morreram pela presença dele. Ele está triste e ferido, mas a mídia, claro, faz questão de dizer que ele está fugindo da cena do crime em vez de ajudar, pois a mídia quer pintá-lo como o vilão desse incidente.

SalvandoPessoas
Ele tá lá claramente salvando as pessoas. Mas a mídia só se importa com o fato de que ele eventualmente não aguenta encarar os cadáveres de um atentado feito pra atacá-lo e vai embora.

Agora Luthor volta pra casa depois de mais um sucesso em manipular a opinião pública contra Superman e descobre que enquanto ele fazia isso, o Batman roubou sua kriptonita.

Temos mais um momento de Lois e Clark Kent conversando. Clark confessa, ele podia ter visto a bomba, se tivesse procurado por uma, mas ele não procurou. Ele não presumiu que era uma armadilha e confiou nas pessoas. Ele agiu como se vivesse em 1938, e não em uma sociedade cínica, e por culpa de seu idealismo, pessoas morreram, e ele se culpa. Assim como Lois se culpa pelo incidente em Nairomi e vai se culpar pra sempre. Superman lamenta ter vivido a vida até então achando que ele podia ser alguém que faz o bem, e percebe agora que não é possível ser um Superman idealizado, que era só um fazendeiro sonhando. Lois tenta explicar pra Clark que esse sonho é importante, que imaginar um Superman idealizado é o que dá esperança pra algumas pessoas, e ela lembra-o de que o símbolo que ele carrega no peito é um símbolo de esperança. Clark responde que era um símbolo de esperança no mundo dele, mas que o mundo dele não existe mais.

Hope
“O sonho do fazendeiro do Kansas é tudo que algumas pessoas tem. E é o que dá a elas esperança. Isso aqui tem um significado.”

Claro que Clark nunca viveu em Kripton, e o mundo dele é o mundo idealizado onde ele achou que podia fazer o bem sem ter más repercussões nunca, e onde ele acreditou que poderia ser o Superman e os inocentes nunca se machucariam, mas pela terceira vez os inocentes se machucaram e ele não consegue mais mentir pra si mesmo que ele está sendo uma força do bem, com todas essas mortes nas costas. Ele não está em 1938, onde você pode só ir salvar pessoas que a sociedade permite e te aceita sem problemas.

Enquanto isso, Luthor começa explorar a nave que ele conseguiu de Zod e a tirar informação dela, aprendendo tudo sobre a cultura kriptoniana. E ele também usa o cadáver de Zod pra criar uma criatura kriptoniana… essa é a parte que eu acho mais tosca no filme, replicar uma das histórias de origem do Bizarro, um dos inimigos mais tradicionais do Superman, mas como sabemos, a criatura será o Doomsday. Puxa, custava pôr o Bizarro? Enfim, antes de sacrificar o corpo de Zod pra sua experiência, ele faz o quê? Mais uma referência aos mitos gregos, afirmando que Zod vôou perto demais do Sol. O que eu acho uma metáfora falha, uma vez que Zod tinha os mesmos poderes que o Superman, essa metáfora só valeria se Zod fosse um humano que deu um passo maior que a perna. Enfim, mesmo tendo gostado do filme quero reiterar que essa cena é ruim. Ignora o bizarro e faz uma metáfora ruim.

LexBizarro
Eu ia preferir muito…

E Batman começa a treinar pra matar o Superman. Ele usa a kriptonita roubada para fazer armas, mais especificamente três balas de kriptonita gasosa e uma lança. E aproveitando, ele explora o resto dos arquivos que ele roubou de Luthor e descobre que Diana Prince apesar de parecer ter a idade dele, lutou na primeira guerra mundial, e obviamente possui super-poderes, já que é considerada uma meta-humana. Luthor estava coletando dados sobre ela, afinal a guerra dele é contra todos os meta-humanos, Superman é somente aquele que está na ativa atualmente. E sabendo que está sendo investigada, Wonder Woman começou a ir atrás do que Luthor estava investigando exatamente.

WonderWomanWar
Ah, a primeira guerra mundial, também lembrada como o momento em que a inocência morreu.

Agora é um consenso popular que Superman com sua visão de raio-x deveria ter visto a bomba e salvado aquelas pessoas, mas as investigações de Lois é que a cadeira era feita do mesmo material que as balas, o metal novo desconhecido ao qual só Luthor tem acesso. E a grande característica dele, raio-x não funciona nele, literalmente, o Superman não poderia ter visto essa bomba nem se tentasse. Lois percebe também que Wally não sabia que ia morrer e foi obviamente manipulado por Luthor.

AliadaLois
E graças a uma aliada que Lois tem na perícia policial, ela consegue juntar provas contra Luthor, coisa que a maioria das demais pessoas tem medo de fazer dada a influência do empresário psicótico.

E Superman está no meio das montanhas, lidando com a culpa. Uma montanha perigosa onde as pessoas por tradição “vão pra morrer”, mas Superman não está indo morrer. Ele tem uma visão de seu pai morto, Jonathan Kent. O homem que ele não salvou e assistiu morrer, e que motivou Superman a nunca mais ficar só olhando. O fantasma de Jonathan conta uma história, sobre uma vez em que um rio ia inundar a fazenda dos Kents, e ele cavou um desvio pro rio não inundar a fazenda. Ele se sentiu um grande herói e seu pai lhe preparou um bolo. Mas no dia seguinte ele descobriu que o rio foi redirecionado a um estábulo de uma fazenda vizinha e afogou todos os cavalos.

Tem uma referência clara aqui aos que não pegaram. Lá na Grécia Antiga, novamente voltamos à Mitologia Grega, tinha esse herói chamado Hercules. E ele foi desafiado a fazer 12 trabalhos pra compensar os assassinatos que ele cometeu sob influência da Deusa Hera, e provar que ele era digno de ser um herói (e ganhar a imortalidade ao concluí-los). Olhem, é uma história onde heróis e deuses se misturam. Enfim, um dos desafios era o de limpar um estábulo fodão lá e Hercules limpou ele, cavando um buraco que redirecionou um rio até o estábulo. Exatamente que nem Jonathan fez, redirecionou um rio até um estábulo e foi chamado de herói.

AugeanStable

Porém, Jonathan não aguentou a culpa de ter matado aqueles cavalos. Olha a desconstrução de um conto famoso de um herói famoso. Parte do desafio de limpar os estábulos era o fato de que os animais estavam sempre lá sujando novamente e eram imortais, portanto era impossível deixar os estábulos limpos por muito tempo. Mas eu nunca vi menção nenhuma se os animais se afogaram ou não com a inundação dos estábulos. No caso de Jonathan, esses animais afogados é o centro da história. Jonathan tinha pesadelos pensando nos cavalos mortos, ouvia seus gritos e se sentiu péssimo, ele não achava que era um herói, achava que era um escroto.

Jonathan
“Enquanto eu comia o bolo do herói, os cavalos morriam. Eu costumava escutar seus gritos a noite.”

Segundo ele, os pesadelos só pararam quando ele casou com Martha, e ela relembrou ele a ter fé na bondade humana e a entender que ele fez o bem aquele dia. Ele salvou a vida da própria família impedindo a inundação, e os efeitos colaterais doem, mas não devem fazer você perder a fé nem desmotivá-lo de fazer o bem sempre. E isso ecoa com o conflito do Superman no filme, Superman não pode se deixar abalar pelo que aconteceu e deixar de ser o Superman, ele ainda vai fazer o bem, e continuar tendo fé na humanidade e sendo um símbolo de esperança.

E isso é a reconstrução. Vamos falar de reconstrução.

HotFuzz
Sabem como Hot Fuzz fez um filme inteiro para explicar por que é que filmes de ação com policiais fodões em cenas fodonas são irrealistas e não tem maneira de funcionar na vida real, para em seu climax criar um contexto em que os protagonistas ignoram isso e viram policiais fodões iguais aos filmes? Então, Batman v Superman fez exatamente a mesma coisa.

Compreensão significa entender que o Superman é uma força do bem, e um homem capaz de gerar esperança, e de fazer a diferença positiva pro mundo. Esse conceito é básico no Superman. A Desconstrução é desafiar esse conceito e provar suas repercussões na vida real. Apontar como é impossível ter tanto poder e ser uma força do bem, mostrar que muitas vezes ao fazer o bem ele acaba fazendo o mal também, e que ele não está imune a se sentir culpado por suas falhas e ter crises, e que não existe uma força do bem nesse mundo. Agora pra que desmontamos um relógio? Se não pra montá-lo de volta e fazê-lo funcionar melhor, a reconstrução é quando admitimos os desafios do conceito e os obstáculos que um suposto realismo coloca nele, e se compra a briga, fazendo-o funcionar. Essa é a parte em que o Superman percebe que sim, as vezes ele não vai ser capaz de impedir algumas mortes, e algumas pessoas vão morrer por conta de inimigos que o colocam como alvo, mas ainda sim, isso não o impede de fazer o que é certo e de fazer a diferença positiva pro mundo. Ele vai seguir fazendo o bem, e vai seguir sendo um símbolo da esperança.

HoradeVoltar
Hora de voltar pra Metrópolis

Se ele não vive no mundo de 1938, ele vai moldar um mundo de 1938 ao redor dele o melhor que ele conseguir. Se o mundo não faz sentido, ele vai forçar a fazer sentido. Ele vai ser o herói idealista, não importa que tragédia joguem nele. Então, como eu disse lá em cima, esse filme é uma história de origem do Superman, ele já vestiu a capa, mas ele ainda está se tornando o Superman dos quadrinhos, e agora relembrando desse acontecimento que rolou com pai morto, ele está moldado para voltar pra Metrópolis e ser um símbolo da esperança pro povo de Metrópolis.

Bruce e Alfred tem um último diálogo antes de Bruce partir pra matar o Superman. Dialogo feito em frente ao túmulo de seus pais, como não poderia deixar de ser. Bruce fala que ele precisa deixar um legado positivo no mundo, fazer a diferença, e admite que ele não fez em Gotham City, a cidade é tão podre quanto era 20 anos atrás, se não pior. Ele conta pra Alfred que a família Wayne começou como uma família de caçadores, e parte pra caçar o Superman. Alfred faz um ultimo comentário, sarcástico, triste e certeiro, como é a marca do personagem.

Alfred
“E é assim a queda da Casa Wayne.”

Bom, Luthor agora tem oficialmente todas as peças que ele queria no tabuleiro. Superman é o inimigo público número 1 da mídia. O homem que mais odeia o Superman além dele, está com a kriptonita. A abominação Kriptoniana como plano B está pronta. Agora só falta chamar a atenção de Superman. Ele sequestra Martha Kent, e Lois Lane. Martha está escondida, ela é o alvo verdadeiro. Lois é só a isca.

Lex sabe que Lois é a única pessoa que sabe sobre o metal especial dele e não tem medo de denunciá-lo e pode provar. Logo ele decide jogá-la do prédio, para atrair Superman, e se não atrair… aí é queima de arquivo. Mas enfim, ele atraiu o Superman que salvou Lois Lane e agora vai enfrentar Lex Luthor.

SupermanLois

Antes de ser arremessada do prédio, Lois chama Lex de psicótico, e Lex responde com “essa é uma palavra de quatro sílabas, usada para descrever algo que mentes pequenas não podem compreender.” acho curioso ressaltar que Lex não foi a única pessoa nesse filme descrita com esse termo. Lá atrás na cena de Bruce Wayne e Diana no Museu encarando a espada de Alexandre, o curador do Museu declara que a história do Nó Górdio é um exemplo de como Alexandre é um psicótico. Novamente Lex Luthor e Alexandre o grande sendo comparados diretamente.

DianaCurador
“A ação [de cortar o Nó Górdio] é perfeitamente condizente com um Rei, mas também com um matador psicótico.”

Lex então descarrega em Superman todo seu ódio por ele. Não fisicamente, claro, ele não é bobo. Ele fala sobre seu ódio por Deus, por ter alguém acima de todos os demais. Ele repete o que o general de Nairomi disse pra Lois Lane no começo do filme, Deuses não podem ser neutros, eles tomam lados, tem favoritos, e por isso não podem ser uma força do bem. Afinal eles decidem quem importa e quem não importa. E Luthor soube desde cedo que se Deus existia, então ele era um dos que não importavam, sofrendo nas mãos de seu pai psicopata. Ele se recusa a reconhecer o Superman como um ser todo poderoso e benigno, então esse ser não tem espaço na visão de mundo de Lex Luthor, no mundo que ele criou pra sua vida fazer sentido, só o ser humano pode existir, então ele vai quebrar o Superman. Ele exige que Superman lute com Batman, ciente de que Batman está com a Kriptonita e pode matá-lo. Ele avisa que fez da mãe de Superman sua refém, e que se Superman fizer qualquer ação que não seja a de ir pra Gotham lutar com Batman, ela vai morrer instantaneamente.

LexSuperman
“Nossa, nós temos problemas aí em cima. O problema do mal no mundo, o problema da virtude absoluta, o problema de você acima de tudo que existe. Você acima de todos, pois é isso que Deus é.”

Incapaz de agir com a vida da mãe em risco, Superman abaixa a cabeça, incapaz de reagir contra Luthor, e agora Luthor tem Deus se joelhos e cabeça baixa em sua frente.

GodBends
“E agora Deus se curva perante minha vontade.”

Porém ainda sim, Superman está decidido a ir falar com Batman e negociar sua colaboração para a derrota de Luthor. Ele vai encerrar uma inimizade que foi criada por manipulação de um psicopata, e pensar em uma solução de resgatar Martha, sem que Luthor pense que ele não saiu imediatamente pra matar o Batman (ou ele mataria Martha)

E Wonder Woman recebe um e-mail do Batman, ele revela que descobriu a verdade sobre ela, e que existem outros além dela que Luthor investigava. O Flash, o Aquaman e o Cyborg. Os meta-humanos existem, e Lex Luthor está caçando todos eles, agora Wonder Woman descobre sobre os outros também.

MetaHumanos
Wonder Woman, Cyborg, The Flash e Aquaman. Todos na mira de Luthor.

Superman e Batman se encontram, e Superman começa a explicar o plano de Lex, mas Batman não dá tempo de Superman falar. Como a namorada de Santos havia advertido, palavras não funcionam com Batman, só porrada. Batman está em um prédio repleto de armadilhas para não dar tempo do Superman reagir.

Ele explode o gás de kriptonita no superman, que anula seus poderes e o deixa fraco, que rebaixa o Superman ao nível dos humanos. Batman se vangloria da superioridade dos humanos.

Brave
“Sinta medo. Você não é valente, homens são valentes. Você não é Deus e sequer é um homem.”

Ainda sim, Superman resiste bastante, e deixa claro que não importa quanto preparo e kriptonita o Batman tenha, o Superman ainda é um kriptoniano, e não vai deixar de dar trabalho. Durante a luta, Batman grita pra Superman a frase que explica a personalidade de tantos personagens do filme: “meus pais me ensinaram uma lição, morrendo em um beco sem nenhum motivo pra isso. Eles ensinaram que o mundo só faz sentido, quando você força ele a fazer.” (quote inclusive que é tirado diretamente da luta entre Batman e Superman do clássico de Frank Miller The Dark Knight Returns). Enfim, Batman vence a luta, e chega ao ponto em que ele vai matar o Superman definitivamente.

FimdaLuta

E aí vem a cena que todo mundo mais gosta de criticar no filme, a infâme, a icônica, a inconfundível.

EmabaixodoPe
“Você está deixando que ele mate Martha.”

É, é um dialogo de bosta mesmo. Ninguém chama a mãe pelo nome próprio. Tinha outra maneira mais natural de trazer a frase “kill Martha” a tona. Mas enfim, é importante ressaltar, que ao dizer que Batman estava prestes a matar Martha, ele obrigou Batman a encarar quem ele se tornou. Um assassino, igual ao assassino de sua mãe, ele não é melhor do que o criminoso que arruinou sua vida, e agora na frente dele está um mero homem, indefeso e enfraquecido, prestes a morrer e pensando na mãe. Não é um Deus nem um monstro, é um ser humano, que sabe que a mãe vai morrer e pede ajuda. Batman não consegue matar o Superman, cara a cara com o homem.

A primeira vez que ele viu Superman ele estava voando acima de Bruce Wayne, e Wayne se viu abaixo de uma força maior que ele não podia impedir de causar o mal. A segunda vez que ele viu o Superman ele estava com os pés no chão, os dois se olharam olho no olho como iguais e se ameaçaram, como se o Batman tivesse se elevado ao nível de poder deter o Superman e poder impedir o seu mal. Agora, na terceira vez, o Superman está literalmente embaixo do pé do Batman, impotente e não diferente de qualquer humano que o Batman poderia destruir, e este o vê pelo que Superman é. Um filho desesperado pela possibilidade morte de sua mãe, tanto quanto Bruce ficou anos atrás. Agora ele era o assassino e o jogo havia virado.

JoeChill
Bruce então se lembra do assassino que matou sua mãe. Em contraste com o começo do filme onde as memórias dele tinham um foco muito maior na arma e nos pais do que no assassino.

Não foi um “vou te poupar, pois sua mãe tem o nome da minha.” a coincidência não é o motivo pelo qual o Batman mudou de ideia, a coincidência foi o que ativou uma memória afetiva no Batman para obrigá-lo a encarar quem ele era. E quem acha que o Batman, dentre todos os heróis, ter uma memória afetiva sensível no que se refere ao dia que seus pais morreram é algo forçado, tem que parar de achar que sabe falar algo sobre o Batman.

WayneFamily

O Batman promete pra Superman que ele vai salvar Martha, e que ele não tem nada com o que se preocupar. E sabe o que ele faz? Ele consegue salvá-la. O Alfred consegue rastrear Martha, pois por coincidência o capanga de Luthor que está ameaçando ela é o russo que Batman passou o filme inteiro rastreando, então ele sabe exatamente onde ela está.

AlfredRastreando

Depois de passar o filme inteiro com Alfred criticando-o por virar cada vez mais um monstro e se afastar dos ideais que o motivaram a ser o Batman em primeiro lugar, depois de um filme inteiro criticando Alfred e não valorizando seus conselhos, Bruce agora, arrependido do que ele quase fez, fala pra Alfred: “Alfred, eu não te mereço.” e o mordomo sarcástico concorda “Não senhor, não merece.” O que é o jeito de Bruce pedir desculpas na dinâmica dos dois. Lembra que eu falei que esse filme era uma história de origem pro Batman, agora é que veremos o Batman se moldar no herói que nós amamos. Após ele receber a influência positiva do Batman, após ele ser obrigado a encarar seu cinismo, ver que o cinismo o transformou em um monstro, e abraçar o idealismo e a esperança que vinham do Superman.

Lex Luthor está na nave de Zod, esperando para ouvir um telefonema de que Martha está morta, mas recebe um telefonema do Batman e uma visita do Superman. Ele faz mais um de seus discursos sobre religião. Ele afirma que ele não odeia o pecador, mas sim o pecado, mas que no caso do Superman, seu pecado é existir. O Batman disse no passado que o mundo não faz sentido, ele só faz sentido quando você força ele a fazer sentido. Pois bem, pro mundo de Lex fazer sentido, Lex precisa forçá-lo, destruindo o Superman. E se um homem falhou na missão, então está na hora de Lex admitir que não consegue desatar o Nó Górdio e sacar uma espada, no caso, mandar o Diabo para matar Deus.

Doomsday

Ele acorda Doomsday..

Ridículo, era pra ser o Bizarro, faria até sentido: A primeira luta após o Superman retornar determinado a não se deixar abalar ser justamente contra uma versão distorcida de si mesmo.

E começa a batalha do Doomsday com Superman. Mas hey, não é como se o Superman não tivesse acabado de levar um surra do Batman, ele não está a 100%, ainda sim ele faz o seu melhor contra o bichão. Mas eventualmente Batman se junta para ajudá-lo assim como Wonder Woman.

Trinidade
A piada do “ela tá com você?” “achei que ela estava com você.” até que presta, mas é evidente que Wonder Woman estava com o Batman no contexto. Ela entrou na luta salvando o Batman de um golpe do Doomsday. E ela conhecia o Batman de antes da luta, os dois servem como suporte pro guerreiro principal da luta que é o Superman, e isso condiz com o fato de que os dois tem mais ou menso a mesma mudança interna no fim da luta que é a recuperação da fé na humanidade. Além de serem os dois que herdarão o legado do Superman. Os dois como uma dupla funcionam muito bem no filme.

E com uma união do poder dos três, inclusive acho muito foda que foi necessário um golpe conjunto dos três ao mesmo tempo, Doomsday morre, mas com um preço… O Superman se sacrifica dando o golpe final em Doomsday e morrendo junto sendo empalado pelas garras do vilão. Morrendo para proteger a humanidade que não soube lidar com ele, que nem Jesus fez em seu tempo.

MorteSuperan

E no dia seguinte, o Planeta Diário pública uma bela homenagem falando da tragédia que foi a morte do Superman. A mídia que estava destruindo o kriptoniano até o dia anterior, agora lamenta com luto o sacrifício desse grande herói. Ah sim, e a Lois prova que o Lex bombardeou a câmera, então o Lex vai pra cadeia, dando uma utilidade prática pra todas as provas que ela passou o filme inteiro coletando. Vemos as ruas desertas de Metrópolis, ninguém saiu de casa em luto pelo Superman, e uma cena compara o sentimento nacional com o da morte do Kennedy.

Kennedy

Dois enterros ocorrem simultaneamente. Um em Smallville, no Kansas, de um fazendeiro chamado Clark Kent, muito querido e amado, cheio de entes queridos junto ao corpo. Algo bem íntimo que mostra o quanto Clark foi muito amado em vida, mesmo por aqueles que nunca souberam que ele era o Superman. Lois descobre que Clark havia comprado uma aliança e ia pedí-la em casamento.

EnterroClark

O outro enterro é um enterro excessivamente formal. Militares, aviões e canhões, e a bandeira dos Estados Unidos em cima de um caixão vazio. Superman está sendo enterrado como se fosse um soldado, e Wonder Woman comenta com o Batman sobre como até na morte ainda não sabem como lidar com o Superman. Eles não sabem definir o que é que estão enterrando, então decidiram enterrar um soldado.

EnterroSuperman

De todos os presentes, somente Bruce Wayne e Diana Prince conviveram minimamente com o morto. Bruce Wayne admite que falhou com Superman em sua vida, e que não vai falhar em sua morte. Se no começo do filme ele estava em um funeral decidindo que ia ser o Batman, agora, no fim do filme ele está em outro funeral, decidindo que ele vai ser um super-herói, algo que ele nunca foi. Ele vai se tornar o Batman que nós conhecemos finalmente. E não é só isso, ele vai se encarregar de achar os outros Meta-Humanos que Luthor rastreou, ele vai unir todos, para proteger a Terra. E ele quer que Wonder Woman o acompanhe nessa. Ela admite que ela já foi uma heroína no começo do século XX, ela viu a primeira guerra mundial com os próprios olhos e perdeu a fé, decidiu que o ser humano não valia o esforço dela. Batman ouve essa história e fala pra Wonder Woman ainda ter fé.

DianaBruce
“100 anos atrás eu abandonei a humanidade, durante o século dos horrores. Os homens fizeram um mundo onde conviver é impossível.” “Os homens ainda são bons. Nós lutamos e matamos. Traímos uns aos outros, mas podemos nos reconstruir, podemos fazer melhores e iremos, teremos.”

Tanto Batman quanto Wonder Woman haviam jogado a toalha quando o assunto era dedicar a vida pra fazer o bem pra humanidade, mas o Superman morreu pra abrir os olhos dos dois e ensiná-los, que vale a pena sim lutar pelo que é certo e ter fé nas pessoas.

Quando Superman enfrentou Zod e salvou metrópolis, uma estátua dele foi erguida no local da batalha ao lado de uma homenagem aos mortos. Essa estátua foi pichada por Wally que o odiava, perdeu seu significado, pois Superman era associado diretamente às mortes, por muitos e foi eventualmente destruída por Doomsday. Agora, nenhuma estátua vai ser erguida, mas deixaram essa frase em um memorial “Se quer ver o monumento dele, olhe pra tudo que está a sua volta.”

Monument

Na morte, Superman virou um símbolo de esperança, que ajuda as pessoas a crerem que alguém pode ajudá-las e ajuda os heróis frustrados a crerem que ser herói vale a pena, e que a humanidade vale o esforço.

povo

E Batman vai visitar Lex Luthor na prisão. Ele se recusa a marcar Luthor, embora ele sempre marque as vítimas que ele considere “muito ruins.”, não porque ele não ache que Luthor se encaixe na categoria, mas porque ele mudou, ele não marca mais as pessoas. Luthor conseguiu se safar alegando loucura, para não ir pra uma cadeia convencional, então Batman fala que arranjou pra Luthor ser transferido pro Arkham Asylum. Luthor encerra o encontro com o morcego anunciando que uma vez tocado, o sino não pode ser destocado, e que “eles” estão vindo, e agora, Deus está morto. E na casa de Luthor vemos que ele de fato virou o quadro de seu pai e deixou exposto que o Diabo virá do céu. Sabemos quem é o diabo nesse caso, Darkseid. Ele está vindo pra Terra.

BatmanLuthor
Com Lex Luthor adquirindo em sua prisão o visual clássico dos quadrinhos, concluo que o filme serviu como uma espécie de origem pra ele também, embora eu não espero que sua personalidade mude de agora em diante, o que mudou é como ele se firmou como inimigo de toda a Justice League.

Mas hey, no caixão de Clark Kent… tem batimentos cardíacos. Ele está vivo!

CONTINUA NO FILME DA JUSTICE LEAGUE!!!!!

E sem cena pós-crédito, pois, hey, isso aqui não é Marvel e nem está tentando ser. É outra coisa, aqui não tem cena pós-crédito não.

Enfim. Vamos ver o que se sobressaiu na história. Acho interessante apontar que ao longo do filme quatro personagens tiveram um plot-point relacionado às pessoas que morreram por consequência de suas ações. Temos Batman e os mortos por conta da marca do morcego. Temos Superman e os mortos na batalha contra Zod e em Nairomi, e na explosão da câmara. Temos Lois Lane e os mortos em Nairomi. E temos Jonathan Kane e os cavalos que ele matou pra salvar a própria família.

Mortos
Alguns mortos por dano colateral.

Enfim, e exceto pelo Jonathan, os outros três casos tem em comum em que as mortes foram causadas na verdade por Lex Luthor em um elaborado plano para destruir a reputação de Superman e Batman e assim providenciar uma inimizade entre os dois. E isso me leva a pergunta. Isso ter sido obra e planejamento de Lex Luthor, tira a culpa de Bruce, Clark e Lois pelas mortes? A resposta é… não.

O arco de Lois no filme trás justamente isso a tona, descobrir um culpado, não tira dela a responsabilidade de ter sido uma peça em um plano que matou gente, e de saber que evitar essas mortes estava em seu poder. Ela pode não ter culpa, mas a responsabilidade e o sangue está nas mãos desses personagens. E é de se esperar que se Batman e Superman vão continuar insistindo em proteger as pessoas, é de se esperar que aconteça e novo e pessoas morram de novo. E o que eles devem fazer nessa hora? Continuar sendo heróis,e é esse o grande ponto do filme.

A morte colateral é o grande ponto do cinismo e da desconstrução do filme. Pois força o herói a encarar o fato de que é impossível proteger todo mundo, que eventualmente sangue cairá nas suas mãos, e que sempre que eles escolherem salvar uma pessoa, eles também escolhem não salvar outra e estão em seu poder de super-heróis determinando quem merece viver e quem merece morrer, pois a neutralidade não existe quando se está no poder, e Deus nunca foi neutro. Esse é o ponto mas sombrio e dark que o filme trás para tanto Batman e Superman encararem. E essa realidade perversa deve ser combatida, segundo o filme, com idealismo. Foda-se, esse fato não deve impedir o herói de lutar pelo que é certo, de fazer o máximo possível pra impedir que isso ocorra, e de acima de tudo, inspirar as pessoas a saberem que tem alguém que luta por elas.

Hope
Tanto que ambos os filmes insistem em não nos deixar esquecer que o símbolo que o Superman carrega no peito é o literal símbolo da esperança.

As pessoas de Metrópolis, por mais que tenham sido salvas, não sabiam, pelo que o Superman tinha matado Zod. As pessoas de Gotham tinham um medo enorme do Batman, e não eram muito gratas aos vinte anos de combate ao crime que ele fez. Mas todos entenderam pelo que o Superman morreu, ele morreu pela humanidade, e o povo amando ou cuspindo no Superman é por ela que ele vai lutar. E depois de ver a real face do Superman, tanto o farão o Batman e Wonder Woman, que achavam que lutar pela humanidade era causa perdida e mudaram de ideia.

O que torna esse filme, apesar de sua temática cínica e sombria e de sua classificação pra maiores de 18 anos, um filme completamente idealista. Um filme otimista, onde o Superman muda a perspectiva de duas pessoas cínicas em pessoas dispostas a lutar pela humanidade, para após sua morte, eles criarem uma união de super-heróis pra proteger a Terra em sua memória. E isso é o grande passo além da desconstrução que poucos dão. É a reconstrução, e isso é lindo.

BruceWayneAquaman
E o trailer já mostra que Bruce Wayne vai ter que continuar a corrente do bem, convencendo o anti-herói Aquaman a mudar de postura em Justice League. É um ciclo positivo que não acaba.

Esse é o legado do Superman. O Batman debateu legado com o Alfred, sobre como vinte anos de luta contra o crime em Gotham não deixaram legado nenhum, e depois de sua morte, ele não terá nenhuma boa ação pra ser lembrado por. Pois bem, introduzir o conceito de super-herói e a esperança que esse conceito trará a todo o povo se tornou o legado do Superman. E para um filme que serve de introdução pra a Justice League isso é obvio.

Em vez de nos apresentar cada herói individualmente, para então só fazê-los lutar contra um vilão no filme do time. Batman v Superman: Dawn of Justice, tomou um outro caminho, ele nos apresentou um contexto pra Justice League nunca ter se formado até então (não havia um Superman, todos os meta-humanos não viam sentido em lutar pela humanidade), e mudou esse contexto até ele se tornar favorável pra união desses heróis.

JusticeLeague

Que pelo trailer aparentemente serão só seis, uma pena, eu queria que a formação original da Liga fossem sete membros. Daria uma vibe meio Sete Samurais. Mas fazer o quê, se quiseram omitir o Lanternão…

One thought on “Batman v. Superman: Dawn of Justice – Desconstrução, reconstrução e origem dos Super-Heróis no universo cinematográfico da DC – Parte 2

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s