Guardians of the Galaxy vol.1 & vol.2 – O que define família?

Guardians of the Galaxy Vol.2 é disparado o filme que mais me pedem para analisar aqui no blog. Como eu levo recomendações de análise muito a sério fui ver o filme, mesmo sem gostar muito do Universo Cinematográfico da Marvel, até porque eu já acho Guardians of the Galaxy um dos poucos filmes que eu realmente gosto da franquia. Pois bem, e me deparei com opiniões mistas dentro de mim. O filme fala essencialmente sobre paternidade, um tema que é simultaneamente um tema muito pessoal pra mim e um tema que é muito pouco trabalhado de verdade em filmes de super-herói, muito embora o assunto do pai dos heróis sempre seja um grande assunto, então superficialmente o assunto aparece na maioria.

MyParentsAreDead

Motivo pelo qual Lego Batman é uma das melhores adaptações do Batman já feitas, por simultaneamente reconhecer Dick Grayson como filho do Batman como o Alfred como pai adotivo do Batman, ao invés de deixar isso eternamente subentendido e não dito enquanto o Alfred limpa o banheiro do Bruce toda manhã e é obrigado a usar uniforme enquanto estiver na mansão… é, meio problemático isso, Bruce pra alguém que passa a vida remoendo a dor de perder os pais, o Bruce nunca passou a sensação de que seria um bom filho pra eles.

LegoBatman
Não consigo enfatizar o suficiente. Esse é um dos melhores filmes do ano.

Enfim, super-heróis, quase todos perderam os pais. Temos exceções, elas são raras, elas são pontuais, elas trabalham com loopholes, e mesmo quando o herói nos quadrinhos tem seu pai vivo e está em bons termos com ele, o Zack Snyder adapta o filme e mata o cara!

JohnKent
Porra de cena ruim.

E aí Guardians of the Galaxy que não é tradicionalmente um filme de super-herói, pois o time que dá título aos dois filmes não são tradicionalmente super-heróis, fez uma abordagem não tradicional ao tema. Por coincidência, paternidade e minha relação com meus pais é uma parte fundamental da minha vida e de como eu estabeleço a minha identidade e minhas noções de família no mundo, e portanto filmes que abordam relações de pai-e-filho inevitavelmente passam pelo meu filtro pessoal de como o trabalho ao tema dialoga com minhas percepções do que é uma boa relação de pai e filho. Motivo pelo qual eu me comovo pra caralho com propagandas do boticário e tenho vontade de enfiar a mão na cara do Jon Snow sempre que ele remói seu ódio por ser um bastardo, mesmo tendo sido criado lado a lado com os irmãos no castelo e sendo um dos poucos bastardos que realmente foram acolhidos pelo pai naquele mundo.

JonNed
Mas ele melhora, era tosqueira de adolescente.

Todo filme que passa valores e mensagens acompanhadas de suas cenas de ação para não se resumirem a porrada irracional acaba sendo julgado pelo diálogo que suas mensagens e temas fazem com o que sua audiência pensa do assunto. E no meu caso, eu fiquei incomodado com Guardians of the Galaxy vol.2, por causa da maneira como o filme enfatiza o que deve e o que não deve ser valorizado em uma família. E quero falar sobre isso. Principalmente porque eu andei lendo muitas análises sobre esse filme na internet, e notei que a opinião de muita gente é afetada por como essas pessoas lidavam com a própria experiência de relação com o pai. Pelo menos era assim que funcionava nas melhores análises que vi sobre o filme.

Então pra falar sobre isso, falarei um pouco de minha experiência pessoal sobre família, então se você quiser ir direto pra parte que eu falo do filme, porque ninguém abre esse blog esperando me ver falando de coisas pessoais, pode ir descendo o texto para a imagem do Groot Bebê dançando lá eu começo a falar do filme em si.

Meu pai largou minha mãe ainda grávida, e ela teve que me criar sozinha sem eu ter notícia alguma da existência do meu pai. Até aí normal, quem nunca, não é mesmo? Acontece o tempo todo. Pois bem, o lance é que quando eu tinha cinco anos, a minha mãe se casou de novo. E esse novo marido da minha mãe se tornou meu pai. E isso é importante, e eu quero frisar o quanto isso é importante. Ele não se tornou meu padrasto, ele se tornou meu pai. Pois foi mais do que um lance de que agora ele era casado com minha mãe, morava comigo e esperava-se que ele cuidasse de mim. Ele teve uma conversa com minha mãe sobre querer ser meu pai em níveis que iam além de sua obrigação como cara-que-mora-comigo, e apesar de eu não ter o sobrenome dele, ele essencialmente me adotou. E eu me senti adotado, ele tomou a decisão de se tornar meu pai e de ser parte ativa na minha criação.

ThomasOMalley
Acho que de todos os filmes que falam sobre paternidade que eu já vi na vida. O que mais me lembra o acolhimento que eu recebi de meu pai. Thomas O’Malley eternamente no Top3 maiores pais da ficção.
WatanabeFinster
E é por isso que eu tenho um carinho eterno pelo episódio de Rugrats, em que Charles e Kira respectivamente adotam legalmente Kimi e Chuckie. Foi a primeira vez em que eu vi a televisão enfatizar alguma diferença entre casar com uma pessoa que tenha filhos, e genuinamente adotar o filho do cônjuge como parte de sua família.

Isso se tornou mais evidente que nunca, pois ele e minha mãe se divorciaram quando eu tinha dez anos, eu não tinha nem terminado minha infância e ele já não morava mais comigo. E mesmo assim ele continuou meu pai, mesmo sem morar comigo, mesmo com a conexão que ele tinha com a minha mãe tendo sido severamente abalada, a gente não morava nem na mesma cidade, mas eramos pai-e-filho, e somos até hoje comigo sendo um adulto, e com 17 anos sem convívio diário. E até hoje sempre que em qualquer contexto da vida lhe perguntam quantos filhos ele tem eu estou lá incluso do lado dos filhos biológicos que ele tem. E sempre que eu falo “meu pai” sem acrescentar o adendo “biológico” é dele que eu estou falando.

Pois bem, mas quando eu tinha treze anos, o meu pai-biológico fez sua primeira aparição presencial em minha vida, e eu enfim conheci o cara que me gerou. E tipo… não. Quer dizer, ele não é uma pessoa ruim, e conhecê-lo certamente ajudou a dissipar uma raiva dele que eu criei na infância. Não era um cuzão, era inclusive uma boa pessoa. Mas o que rolou naquele encontro e em todos os posteriores, não foi uma relação entre pai-e-filho. Foi uma relação entre homem-muito-culpado-querendo-descobrir-como-compensar-uma-coisa-que-não-pode-realmente-ser-compensada e um jovem-entrando-na-adolescência-e-na-puberdade-e-com-mais-o-que-pensar-além-de-como-fazer-as-pazes-com-alguém-que-você-nem-conhece. Inclusive se não houvesse um constante ar de “necessidade de compensação” e “desculpas por não ser seu pai.” acho que seria mais fácil da gente ser amigo do que é. Mas o ponto é, ele é uma pessoa ótima, e ouço histórias ótimas de como ele foi com diversos conhecidos que vi na vida, ele só não é meu pai, e se ele curar o câncer amanhã ele não será tampouco. O que não o impede dele ser meu amigo, embora tenhamos ainda que trabalhar pra chegar lá.

CarlJonas
Inclusive deixo a recomendação de uma das animações que melhor trabalhou tema do quão difíceis podem ser essas relações: As Told By Giger! Não só nos episódios que mostram como é difícil pro Carl reatar laços com Jonas após o abandono, sem transformar Jonas em um cuzão no processo, sendo empático com ambas as partes. Como também tem um episódio lindo em que a vó do Hoodsie morre e o garoto tem que lidar com o fato de que a avó tratava ele mal, e ele nunca amou ela, e tem dificuldade em pensar em como discursar sobre ela em seu velório, sem ser hipócrita nem magoar toda a família. Episódio que igualmente não vilaniza a avó de Hoodsie nem o próprio, só dá luz ao quão complicadas são essas relações.

Mas graças a esse encontro eu finalmente fui capaz de conhecer os meus irmãos, de quem eu gosto muito. E que acabaram se tornando uma conexão minha com esse pai-biológico muito maior do que 50% de DNA que eu divida com o cara. E isso já me fez filosofar muito sobre, sobre por que eu considero meus irmãos como meus irmãos, e vejo eles como meus irmãos, se nós não só não crescemos junto, como o suposto pai em comum que nos torna irmãos eu não consigo ver como pai? E eu já me perguntei muito isso, pois é uma questão de perspectiva, eu sei que eles são meus irmãos, mas eles não são filhos do meu pai. São filhos do outro cara, o que me gerou. Pois é. Eu tenho três primas, com quem morei junto por seis meses em determinado momento de minha vida. Eramos criança, dividimos quarto, festas, doce, brigas, ciúmes, atenção da minha tia, atenção da minha mãe. Pra mim essas três são essencialmente minhas irmãs, também, mas no caso a criação obviamente tem um peso nessa minha percepção. Pois bem, depois de refletir muito eu descobri que eu consigo ver meus irmãos como meus irmãos pelo carinho que dividimos entre nós e não pelo sangue que dividimos entre nós, por mais que dividamos ele também. E que se esse carinho não existisse, todo o DNA do mundo não nos faria família.

Enfim, o meu ponto aqui é: no meu caso, no caso de toda a minha vida, família é uma escolha. A minha família não é formada por quem divide o sangue comigo, e nem por quem estava por perto. Estar ali quando eu era criança não é o que fez do meu pai, meu pai, assim como ter aparecido posteriormente não fez do meu pai-biológico meu pai. O que faz do meu pai, meu pai é o fato de que houve uma troca de carinho, afeto que transcendeu quanto tempo moramos juntos, e que eu escolhi chamá-lo de pai e ele escolheu me chamar de filho. Assim como eu escolhi chamar meus irmãos de meus irmão, mesmo que geneticamente eles já fossem, pois eles ainda não eram. Nós temos o poder de escolher quem é nossa família, e sangue ou convivência nenhuma deveriam nos prender a pessoas que não queremos por perto ou que façam mal pra gente.

ArrestedDevelopment
Pois é isso que acontece quando família se torna uma algema que te prende em relacionamentos tóxicos. Um amontoado de pessoas presas em um ciclo de infelicidade e tragédia (e uma boa comédia)

Uma obra que ilustra isso muito bem, é o mangá One Piece como já mostrei aqui. Mas também muitas outras obras. Como Lilo & Stitch Community. São pessoas que se tornam a família das pessoas que eles escolheram, e isso é diferente de sangue ou de pessoas com quem você é obrigado a conviver. E aí entrou Guardians of the Galaxy Vol.2 que resolveu falar da mesma coisa, mas aí as coisas ficaram complicadas. A primeira vista parece simples e parece que é exatamente sobre o que eu estou falando, mas elas ficam complicadas quando olhamos de perto.

BabyGroot
Parabens, você chegou no Bebê Groot dançando, daqui pra frente vamos falar dos Guardians of the Galaxy finalmente que é o que você veio ler em primeiro lugar.

Mas tipo, no primeiro filme as coisas ainda não eram zoadas, então vamos falar do primeiro filme, onde o tema foi abordado de uma maneira bem decente:

GuardiansPoster

No filme, após tentarem se roubar, matar e capturar entre si, quatro pessoas são presas numa prisão espacial. Peter Quill, Gamora, Rocket e Groot. Na cadeia eles conhecem Drax, e os cinco fogem da cadeia, e são perseguidos por Ronan, um vilão que queria o poder que eles carregavam e planejavam vender. Quando Ronan recupera esse poder, os cinco se unem ao governo que os prendeu e a um grupo de saqueadores cuzões e todos unidos derrotam Ronan e salvam a galáxia de ser destruída.

BunchofJackasses
“Bando de manés de pé num circulo.”

Mas o grande lance, é que esses cinco eram pessoas abandonadas pela sociedade, que se seguravam fortemente na memória de uma família perdida, da própria solidão e de que não tinham espaço no mundo, o que explica o porque eles eram todos fora-da-lei em primeiro lugar. Então o tipo de companheirismo que eles nunca tiveram na vida eles acharam um no outro.

Quill perdeu a mãe, e foi incapaz de se despedir dela, por ser jovem demais pra aceitar o que estava acontecendo. Logo após isso foi sequestrado por um grupo de saqueadores liderados por Yondu. Apesar de ter planos iniciais de entregar Quill para seu pai biológico, Yondu ao invés disso manteve o garoto trabalhando pra ele sob constantes ameaças e abuso psicológico até o ponto em que Quill não só era o menos leal de todos os subordinados de Yondu, como o objetivo de Quill no primeiro filme fosse conseguir dinheiro com a venda de um artefato misterioso que o permitisse abandonar Yondu pra sempre. Passando a se autodenominar Star-Lord, e vivendo de roubos e venda de artefatos.

YonduPhoneQuill
Na primeira interação dos dois, que é nos primeiros dez minutos de filme, já podemos ver como é a relação dos dois. Quill tenta não atender o telefone, pra não interagir com Yondu, mas a mulher com quem ele dormiu atende por ele. Então Yondu reclama de Quill estar desobedecendo suas ordens e traindo ele. Quill manda Yondu ir pastar e cuidar da própria vida. Yondu tenta lembrar Quill que ele deve lealdada a ele meramente pelo fato de não ter sido assassinado. Quill cospe em tudo o que Yondu fala e desliga na cara dele e então Yondu coloca uma recompensa pela cabeça de Quill que coloca mercenários na cola dele.

Gamora teve o pai assassinado por Thanos que a adotou, e com quem foi colocada em constante conflito de Nebula outra orfã que Thanos adotou. O pai de Gamora aparentemente era um grande guerreiro, ou fica implícito que era, que ainda guia seu estilo de luta e de resolução de problemas, quando ela diz que não é fã de diplomacia que nem seu pai não era. Ela e Nebula aparentemente tiveram que matar outros inúmeros irmãos como parte do treinamento de Thanos às suas filhas adotivas.

ThanosRonan
Thanos abertamente se refere à Gamora como sua filha favorita, na frente de Nebula. E culpa a incompetência de Ronan pela falta de lealdade dela com Ronan.

Drax perdeu sua esposa e filha para Ronan, e deseja nada além de vingança pela morte delas.

DraxIntro
Drax em compensação matou milhares de subordinados de Ronan, ganhando o apelido de Drax, o destruidor.

E quanto à Rocket e Groot: Rocket foi usado pra experimentos cibernéticos trocentas vezes, aberto, desmontado e remontado, deixando-o traumatizado e caótico. Pois bem, Rocket e Groot não tem menção alguma de parentesco ou de contato ou de pessoas que fizeram parte da vida de nenhum dos dois antes do evento do filme. Fica implícito que alguém mexeu no corpo de Rocket, mas nem sabemos se foi uma pessoa ou um grupo de pessoas.

RocketGroot

Apesar disso, Rocker e Groot tinham um ao outro, e isso torna esses dois os únicos dos Guardians of the Galaxy a terem alguém. Quill, Gamora e Drax não tinham ninguém.

E Rocket incentiva Drax a parar de se segurar nas memórias de alguém pra justificar atitudes escrotas e imbecis, abertamente zombando da noção de que você tem carta branca pra fazer a merda que quiser pois seu ente-querido morreu. Tal como Gamora justifica sua falta de diplomacia como herança de seu pai. Rocket não se segura no passado, ele vive o presente e foi o único capaz de fazer um amigo antes do filme começar.

Boohoohoo
“Buá buá, minha esposa e filha estão mortas. Eu não ligo se é crueldade, todo mundo aqui tem ente querido morto e isso não é motivo pra você fazer todo mundo aqui morrer junto!”

O que nos leva ao Peter Quill de novo. Peter Quill precisa fazer durante o filme uma decisão importante, depois de vinte e seis anos fugindo, ele conseguiu se despedir de sua mãe e de seu passado. Realizando no fim do filme os gestos que ele tinha medo de fazer, pois fazê-los confirmaria a morte de sua mãe em seu psicológico. Segurar a mão de Gamora, como ele não segurou a da mãe, e enfim abrir o último presente que ela deixou pra ele, aceitando a “herança” que ela lhe deixou.

TakeMyHand

Pois bem, Rocket obrigou Drax a parar de ser retardado só porque é viúvo, e Quill foi capaz de aceitar a morte de sua mãe… A Gamora pensa pouco nos próprios defeitos e isso vai ser falado quando eu chegar no Volume 2. Agora o que resta pra eles, formarem uma família um com o outro.

Agora sabem quem não faz isso? Quem não aprende a se despedir do passado pra focar no futuro? O próprio Ronan, cuja maior motivação para destruir o planeta Xandar, era vingar seu pai e avô mortos em uma guerra secular contra sua raça. Então o ato de mover pra frente que Quill e Drax fazem e Rocket em algum momento do passado teve que fazer, Ronan jamais fez. Ronan jamais achou uma nova família em seus aliados, somente servos e rivais. E é por isso que em um filme onde todos são fora-da-lei, e ninguém gosta de fazer o bem, Ronan ainda é um vilão.

Ronan
“Me chamam de terrorista, pois não perdoei seu povo. Por ter matado meu pai, e o pai dele.”

Enfim, a aliança e família que é formada pelos Guardians of the Galaxy é cementada pela não aliança que é feita com a família antiga. Quill trai seu sequestrador Yondu com quem ele cresceu, por saber que ele era uma pessoa ruim, e após traí-lo lamenta ter mantido uma inimizade com alguém que era a única família que ele tinha, mas Gamora responde que ele não era a única. A mesma Gamora que tinha acabado de lutar com sua irmã adotiva e viu essa irmã preferir arrancar o braço (que era mecânico, então de boa) a dar a mão a ela. E com isso o quinteto se torna a própria família.

QuillGamora
“Ele vai me matar. Uma pena, pois ele era a única família que eu já tive.” “Não, ele não era.”

Por escolha, ninguém foi chantageado ou obrigado a se acostumar com a companhia deles, mas eles viram um no outro parceiros pra vida, e se tornaram um time.

E aí veio o segundo filme, que estendeu essa conversa sobre família para o próximo passo, paternidade.

RocketBabyGroot
“Não, não, cospe isso.”

O que é visto logo de cara no fato de que agora o Groot é um bebê e os quatro são todos pais do Groot, cuidando dele em diversos momentos no filme, em especial logo nos créditos iniciais, mas essencialmente o filme inteiro, com Quill lembrando Groot do cinto de segurança e brigando com Rocket por pegar pesado com Groot. Notem isso, Quill é sensível quando vê alguém pegar pesado com uma criança. É importante.

Enfim, o filme começa com o quinteto capturando (ou melhor, recebendo capturada), Nebula. A irmã adotiva de Gamora, que Gamora pretende vender pra o planeta Xandar, pra ficar com a recompensa e ver Nebula ser executada. Ou seja, logo de cara, vemos que elas apesar de serem irmãs continuam se odiando tanto quanto no filme anterior.

GamoraNebula
“Pelo que eu sei, ela é sua irmã.” “O único valor que ela tem pra mim é a recompensa pela sua cabeça em Xandar.”

Enfim, eles são atacados pela raça que lhes deu Nebula, os sovereigns, um bando de cuzão de pele dourada que acha que eles são melhores que todo mundo por sua genética manipulada. Reparem aqui, gente obcecada com genética como os primeiros vilões introduzidos no filme. Enfim, eles atacam os nossos heróis, pois Rocket quis ser cuzão e roubar umas baterias, mas eles são salvos por um cara chamado Ego. Ego então revela que é o pai de Peter Quill e o convida para ir ao seu planeta (que na verdade é ele próprio), onde ele é essencialmente deus. E Quill vai, acompanhado de Gamora e Drax, deixando Rocket e Groot pra trás para vigiarem Nebula.

Porém Yondu estava atrás dessas baterias também, contratado pelos sovereigns pra roubá-las de volta, e ataca Rocket e Groot. Até que o bando de Yondu descobre que matar Peter Quill por vingança não era um de seus objetivos, apesar das inúmeras vezes que Quill traiu Yondu. Então o bando de Yondu se volta contra ele. E no fim do conflito, Nebula se solta, derrota Rocket e Yondu na porrada, e os Ravagers puderam prender todo mundo.

YonduRocketJail

E Ego levou Peter pra seu planeta. Onde ensinou Peter a usar seus poderes de Deus para fazer uma bola, para Peter e Ego jogarem bola como pai e filho supostamente deveriam jogar. Lá conhecemos melhor essa garota que mora com Ego, chamada Mantis. Ela foi adotada por Ego quando era um bebê órfão e vive isolada com ele em seu planeta, ajudando Ego a dormir. E esse isolamento que foi sua vida repercutiu em diversos problemas de sociabilidade.

MantisDrax
O que tornou a combinação dela, que não sabe lidar com pessoas, com Drax, que sempre fala tudo o que pensa brutalmente, uma das grandes combinações cômicas do filme.

Assim como o convívio com Yondu e Thanos gerou diversos obstáculo na personalidade de Quill e Gamora que eles tem que superar pra poderem ser uma família.

O ponto é: Gamora está desconfiada de Ego, acha que ele deve estar armando alguma. E quando Quill acusa Gamora de ao fazer isso querer separá-lo de sua família, ela toma como insulto ele não considerar a equipe a sua família.

GamoraQuill
“Eu finalmente achei minha família.” “Eu achei que você já tinha achado.”

Pois bem, e por falar em família. Yondu está com Rocket em uma cela esperando ser entregue aos Krees por uma recompensa onde será executado. E Yondu está repensando sua vida, sobre como Stakar, o homem que tirou Yondu da escavidão, e ensinou ele a ser um pirata espacial, hoje o odeia pois Yondu quebrou o código de honra deles e traiu a única família que ele tinha, e pelo que ele fez isso? Pra poder tráficar criancinhas e torturar Peter Quill. E agora ele visivelmente se arrepende de sua escolha e da família que ele sacrificou e aceita a própria morte. Só que Yondu pode morrer com os arrependimentos que ele quiser, Rocket quer viver, e por isso, ele motiva Yondu a querer viver, e os dois juntos de Groot escapam da nave.

YonduUganta
“Eu, Stakar e os outros capitães, nós são somos tão diferentes de você e seus amigos. Eles foram a única família que eu tive na vida. Mas aí eu quebrei o código, e eles me exilaram. Eu mereço tudo isso.”

Sabe quem também está indo pro planeta do Ego? Nebula. E com sangue nos olhos, querendo se vingar de Gamora por toda a dor que ela lhe causou. Porém no meio da luta Gamora salva a vida de Nebula, e essa não consegue matar mais a irmã adotiva. Mas consegue jogar na cara dela a cumplicidade que Gamora teve em todo o abuso que ela sofreu de Thanos e o quanto ela foi uma irmã de lixo. Mas ainda sim não consegue matá-la.

GamoraAndNebula
“Era você quem queria vencer uma luta. Eu só queria uma irmã! Você era tudo o que eu tinha, mas era você quem precisava vencer, então Thanos tirou meu olho da minha cabeça, e meu cérebro do meu crânio e meu braço do meu corpo, por sua causa.”

O que por si só é uma grande subversão. A noção de que Gamora, a heroína, em vez de enfrentar uma irmã que abusou dela na infância, tem que entender que foi ela que abusou de Nebula, e que ela é uma cuzona que nunca parou pra pensar a respeito de como Nebula se sentia. Sim, sim, a Gamora é a irmã má nessa história toda, não importa a perspectiva. Dentro da Chaminé é 100% #TeamNebula. Mas tudo bem, elas tão meio que em trégua agora (não quero usar o termo de boa ainda).

Pois é. Aí tava lá o Quill com o Ego. E o Ego tava explicando pra ele todo seu plano, de transformar toda a vida no universo em extensões dele mesmo. Em resumo, um genocídio de toda a galáxia. E o Quill tava hipnotizado com esse plano fabuloso. “Wow pai, todo mundo morto.” e o Ego ainda explica de como ele assassinou todos os irmãos do Quill que não conseguiram ir adiante com o plano e o Quill “da hora, é tão mágico.” e aí o Ego admite ter matado a mãe do Quill, e então é uma coisa meio “Não, não, agora você cruzou uma linha moral fodida.” e o Quill perde a hipnose, e se opõe ao Ego. Simultaneamente, Gamora, Nebula e Drax estavam ouvindo a verdade sobre Ego por Mantis que se sentiu culpada por tudo e confessou o plano. E Rocket e Yondu estão chegando no planeta pra bater no Ego.

PeterHipnotizado
Vamos cometer genocídio na galáxia inteira, é lindo.
PeterDeshipnotizado
Pera, você matou minha mãe? Você é do mal?

Então ao mesmo tempo, todo mundo se tornou enfim inimigo do Ego.

Enfim, é aqui que as coisas ficam meio problemáticas, pois é quando Quill e Yondu se reencontram, e o Yondu começa a trabalhar pelo perdão de Quill, o que aqui significa falar “lembra todas as vezes que eu fui abusivo com você, física e psicologicamente? Enfim, era tudo uma grande zoeira, então eu vou te ensinar uma lição de como usar seus poderes agora, pois o Ego te ensinou mal, e aí por contraste, vamos ver que eu te educo melhor que ele.”

NotFunny
“Você dizia que ia me comer.” “Eu estava só sendo engraçado.” “Não tinha graça pra mim.”

Pois bem, a lição pega, Quill distraí Ego na porrada o suficiente pra todo mundo poder fugir sem ele. Mas Yondu não vai deixar Peter pra trás, pois ele está atrás de redenção pessoal, e planeja se suicidar para salvar Peter. Rocket e Groot sabem que Yondu vai morrer, e o parabenizam por ter entrado para o time.

FreakingGuardiansoftheGalaxy
“Bem-vindo aos malditos Guardians of the Galaxy.”

E então Quill após derrotar Ego está lá, no meio do espaço, morrendo. E Yondu aparece pra resgatá-lo, no processo admitindo paternidade sobre o Peter. Eles só tem um suporte de vida, e Yondu dá o suporte de vida dele pro Quill, para que esse seja o sobrevivente. E com isso Yondu se desculpa por não ter acertado uma e morre.

YonduSacrifice
“Desculpa se fiz tudo errado. Eu tive sorte em você ser meu garoto.”

Yondu ganha um funeral bonito. Com Quill falando sobre como ele foi um bom pai, e com todos os Ravagers, que o desprezavam por quebrar o código dos piratas do espaço, soltando os fogos de artifício que eles prometeram nunca soltar, marcando o perdão que Yondu recebeu e sua redenção completa.

YonduFuneral
Quill elogia entre as maiores qualidades de Yondu, ter sido um chutador de bundas que comia muita mulher gostosa. Ou seja “Tive um baita pai legal.”

O discurso de Quill fecha com “As vezes, o que a gente procurou a vida toda, estava lá do nosso lado, e a gente não notava.” O que motiva Gamora a ir enfim pedir desculpas a Nebula por nunca ter dedicado 5min de sua vida, pensando no quanto Thanos tratava Nebula muito pior que ela, e em como ela nunca se importou em se conectar com Nebula nesse tempo. E convida Nebula a ajudar todas as garotas na mesma situação, lado a lado para compensar o que ela fez. E então, pela primeira vez na franquia toda, Gamora chama Nebula de irmã.

Sisters
“Você sempre vai ser minha irmã.”

E o filme se fecha no funeral do Yondu! Danem-se as cenas pós-crédito.

Enfim, se o primeiro filme nos fala sobre a família que a gente escolhe, e em não deixar as pessoas do passado guiarem suas ações, mas sim as do presente, por melhores que sejam as pessoas do passado. Pois bem, o volume 2 nos passa uma abordagem diferente. A do perdão, e de entender que pessoas abusivas, tóxicas e que pioram sua vida são sua família quer você queira quer não, e é por isso que o perdão é importante, pra você não lembrar de pessoas abusivas pelo que foram, abusivas.

Cartman
Ou como foi dito em South Park: “Crianças, Cartman é amigo de vocês, não importa se vocês não gostam dele.”

O filme vende a ideia de que Yondu sempre amou Peter, e só nunca deixou isso transparecer, pois ele é na verdade muito machão pra ter sentimentos expressos. Pois bem, eu acredito nisso, ele gostava do garoto, mas vamos lá, seja lá qual era o motivo real pra ele tratar Peter como ele tratou, o fato é que por 26 anos ele tratou Peter muito mal, na base de traumas psicológicos pesados que moldaram um adulto altamente desfuncional, que se agarra a referências à cultura pop não só pra agradar você expectador, mas porque todas as lembranças positivas dele, ele deixou na Terra, ele não tem nada no espaço ao que seja apegado, pois você não se apega a nada nem a ninguém vivendo com o Yondu. O filme contrasta Peter valorizando Yondu pelo que ele fez, mas Peter não estava errado em não valorizar Yondu. Essa é uma péssima lição pra ensinar ao protagonista.

NotMyFather
“Yondu não é meu pai! Yondu é o cara que me sequestrou, me espancou pra eu aprender  a lutar e me mantinha em constante terror ameaçando me comer.” Peter diz isso logo no começo do filme, para finalizar o filme afirmando que Yondu era seu pai. O nome dessa mudança que o filme quis passar é o chamado “desenvolvimento de personagem”, e indica que o Peter evoluiu como ser humano e se tornou uma pessoa melhor, ao aprender ser filho do Yondu foi bom pra ele. O que é falacioso, pois não foi.

E com isso, o filme que tenta caminhar o já bem conhecido trope de “pai de verdade é quem cuida.” fazendo o pai adotivo triunfar sob o pai original, o que é feito literalmente com Ego e Yondu tentando ensinar ao Peter a mesma técnica e Yondu prevalecendo, permitindo que Peter use a técnica pra derrotar Ego. E ainda fecha com a famosa frase “Ele podia ser seu pai. Mas não foi seu papai.”. Pois bem, isso tudo me deixa com o gosto de merda na boca de que o único pré-requisito pra ser pai era estar lá. Pois Yondu foi uma pessoa horrível com Peter, em um relacionamento desprovido de amor e afeto (sob a perspectiva de que ambos são muito machões e relacionamento de macho não envolve afeto, mesmo quando é família.), e isso tudo com um pedido de desculpas em que Yondu meramente fala “Eu tava de zoeira.” Yondu não foi “papai”, e não cabe a ele torturar uma criança por 26 anos e depois retomar o título só porque o pai biológico é bem pior. Mas aí o Peter vem e põe tudo isso no passado. Ele teve um pai legal. Que grande merda isso. 

E isso é notoriamente errado. Tipo, implicações horríveis, de que o fator mais importante na paternidade é a presença, e olha, ausência paternal é uma merda, eu sei bem disso, mas porra. Não. Meu pai foi meu pai convivendo comigo diariamente por 5 anos e depois continuou sendo meu pai morando em outra cidade por duas décadas, e esse afastamento não o tornou menos importante. O fator importante, e que marca um pai adotivo como realmente um pai, é o afeto. Simples e direto. “Pai de verdade é quem estava lá.” é a maior asneira que um filme pode falar sobre o assunto. O cara que tava lá podia dar uma surra na criança, como muitos dão. Sabem a cena em que os órfãos Baudelaire querem denunciar o Conde Olaf por ter batido no Klaus, mas o Sr. Poe fala que ele só estava exercendo paternidade. Pois bem, essa última meia hora do filme foi escrita por alguém com o mesmo bom-senso e tato para o assunto que o Sr. Poe. “Pai de verdade é quem amou e fez a criança se sentir amada.” Se meu pai me batesse ele não seria meu pai, seria um escroto que mora com a minha mãe. E Yondu não teve uma relação de afeto, nem de carinho, nem de respeito, nem de decência básica com Peter. Agora você vai me dizer “mas ele amava mesmo o Peter.” é, amava sim, mas se ele passou 26 anos sem demonstrar, então foda-se! E então você diz “mas ele salvou a vida do Peter.” e aí chegamos num ponto bom, porque vejam só.

Tremaine
Já pensou um novo filme da Cinderella em que a mãe biológica da Cinderella volta como zumbi pra matar a filha, mas é detida pela Lady Tremaine que fala “Ela pode ter sido sua mãe, mas não foi sua mamãe.”… e aí Cinderella repensa como a Lady Tremaine foi sua verdadeira mãe… pois é.

O filme pega muito nesse lance de salvar a vida. No filme Gamora também salva a vida de Nebula, também ganhando um perdão por ter sido uma irmã abusiva, e dando a Nebula a chance de enfim ter uma família desde que ela perdoe Gamora. Ela tenta salvar a vida de Nebula no primeiro filme também, mas Nebula se recusa, dando a entender, o que é ruim, que não aceitar a mão de Gamora era um obstaculo que Nebula tinha que superar para crescer. Ou seja, os relacionamentos que o filme marcou seguem uma lógica de abuso → salvamento → perdão. O que remete ao primeiro filme onde Peter, que é notavelmente atraído por Gamora, que claramente (ainda) não retorna esses sentimentos, salva a vida de Gamora se matando no processo. Literalmente a mesma coisa que Yondu fez. Gamora consegue salvar Peter antes dele completar seu sacrifício, e ter a vida salva por aquele homem mudou muito em como ela via ele… mas não tornou ela apaixonada por ele, eles continuaram só amigos com um laço forte. O que é bom e está certíssimo, pois Gamora não é um troféu pro Quill possuir quando ele se provar um herói. E a maneira como ele nos dois filmes ficou meio que esperando por isso, só mostra o quanto ele é imaturo e tem noções distorcidas de como conseguir respeito dos outros.

QuillSavesGamora

Esse tipo de salvamento cria laços fortes, mas não cria rótulos, e no primeiro filme o filme claramente sabia disso. Ninguém vira pai de ninguém por salvar uma vida. Talvez vire brother, talvez vire muito brother, mas não pai, e muito menos “papai.” Perdão é uma coisa que leva tempo, e leva ação real. E paternidade é uma coisa que demanda aceitar o cumprimento de um papel específico na vida de uma pessoa, papel que Yondu não cumpriu.

Mas Yondu não tinha tempo de fazer nada disso, pois ele morreu.

Então Peter teve que apagar 26 anos de abuso em troca de um pedido de desculpas mal feito e o salvamento, pois era a única opção que ele tinha. E desculpem, família não pode ser a única opção que você tem. Quando é, você está preso em uma situação de merda, e isso pra mim machuca a grande temática do filme de que o heróis formaram uma família entre si pra não precisarem ficar presos em sua situação de merda. Pois bem, o Yondu era a situação de merda do Quill. E agora?

Team
Agora ele é da família.

E o que me deixa puto. É que o filme entende a diferença, concorda com tudo o que estou dizendo em inúmeros pontos, e escolhe não aplicar ao Yondu especificamente. Como se esse personagem somente estivesse acima de tudo. Quando a Mantis descreve sua relação com Ego pra Drax. Ela descreve como se Ego fosse um pai pra ela, mas Drax vendo o quanto a relação era desfuncional, explica que pra ele soava mais como se ela fosse o bichinho de estimação do Ego. E é isso, Quill era mais o bichinho de estimação do Yondu.

E o filme ainda coloca isso como hierarquicamente superior a verdadeira família do Yondu. Que não vou falar que eram o bando dele, pois eram um bando de cuzão que tentou matar ele. Mas um membro específico do bando dele: Kraglin, que eu nem citei no resumo, pois é relativamente fácil passar batido por esse personagem no filme.

Kraglin

Kraglin, braço-direito de Yondu e membro mais leal ao Yondu de todo seu bando, foi quem sem querer iniciou o motim, ao ter um acesso de, literalmente ciúmes, por sentir que o Yondu fazia o bando e ele pagarem pelo favoritismo que Yondu tinha com Peter Quill, acusando Yondu de gostar mais do Quill que deles. Sério, ciúmes. Simples e direto. Mas ele não queria que essa acusação começasse um motim, então ele arriscou a vida pra tirar Yondu da cadeia. Quando Yondu morre, Quill diz pra Kraglin que ele deveria ficar com a flecha de Yondu como herança, e Kraglin aceita a herança de seu capitão.

KraglinCrew
“Eu vou dizer uma vez só capitão. Não importa quantas vezes o Quill te traia você sempre protege ele, como se nenhum de nós importasse pra você. Mas sou eu que sempre te defendo.”

E não sei, essa cena do Quill decidindo pro Kraglin o que ele pode ou não levar do Yondu de herança me soa toda errada, isso e não ser o Kraglin, que foi a família do Yondu por 26 anos, diferente do Quill que havia aceito Yondu como família faziam 26 minutos, não ter feito o discurso por “não ser o filho.” No fim do dia Kraglin estava certo em seu ciumes. Quill odiava o Yondu, e o Yondu tratava ele melhor que o bando. Vai se foder Yondu. Dentro da Chaminé é 100% #TeamKraglin, vai ser o próprio capitão e tratar o bando muito melhor do que o Yondu tratou o próprio. E vai tratar o próprio filho muito melhor também.

Mas enfim, Quill não tinha a opção de não deixar Yondu ser sua família, pois era ele quem estava lá e família não se escolhe. Assim como Nebula não tem opção a não ser irmã de Gamora, pois é ela que ela tem e a vida é isso. Se seus parentes adotivos são abusivos e companhias tóxicas, você tem que aprender a perdoar pois você não tem opção a não ser amá-los, é isso que adoção significa.

NebulaGamora

Isso me ofende, ver isso me ofende de verdade. Yondu morreu fácil demais, ele deveria ter feito que nem Gamora, e dedicado uma vida a compensar pelo mal que fez a Quill com ações diretas. Prometer lutar contra o tráfico infantil e não deixar que nenhuma outra criança sofra a infância de merda que ele causou ao Quill. Isso seria redentor de verdade, valeria por um trilhão de “ah, mas quando eu ameacei sua vida eu tava zoando.” Salvar a vida é bom, mas não faz ninguém virar namorada de ninguém, nem ninguém virar pai de ninguém, nem ninguém virar irmã de ninguém. Ninguém devia formar laço familiar por um sentimento de “dívida”, é tóxico. Os Guardians of the Galaxy não estão juntos por sentimento de divida um pelo outro (muito embora eles tenham salvado a vida um do outro várias vezes). O filme entendeu isso perfeitamente no primeiro filme, mas cagou no segundo.

Agora, vou ser sincero. Isso me ofende de verdade. Me deixa puto. Mas não torna o filme necessariamente ruim. Pelo contrário, acho o Yondu o melhor e mais interessante personagem do Marvel Cinematic Universe, de verdade. Mas ele é interessante por ser um arrombado, e aí no terço final do filme, todos seus defeitos são romantizados e isso caga pesado um anti-herói. Sério, não é porque a audiência entende que as vítimas tem que entender. Cai na falácia entre o Snape ter fãs leitores que o amam pelo quanto sofreu e o Snape ser lembrado como um grande homem in-universe. Só um dos dois é aceitável. Enfim, não foi a primeira vez que a Disney me deu uma porrada dessas.Meu filme favorito da Disney é Tarzan, provavelmente vai ser pra sempre, e o filme do Tarzan, faz EXATAMENTE a mesma cagada, com Kerchark e Tarzan se tornando pai e filho na reta final em contraste com o fato de que eles obviamente não eram pai de filho em ótica alguma concebível. Inclusive o filme deixa notavelmente confuso se Kerchark e Kala continuaram romanticamente envolvidos, ou não. Mas sempre me passou a impressão forte de que Kala adotando o Tarzane deu uma esfriada pesada no amor entre os dois. Então nem padrasto o Kerchark era até onde eu vejo.

Kerchark
A diferença também é que eu consigo fingir que o Kerchark não disse “Meu filho.” no fim do discurso e pronto, problema resolvido. Se sair uma versão em DVD em que eles bipam essa fala eu juro que compro. Mas eu não consigo fingir que a última meia hora do filme existiu no caso de Guardians of the Galaxy Vol.2 é tempo demais de filme que dedicam a essa porcaria.

É uma idiotice que Hollywood faz, que eu sinto que desmerece o gesto foda e lindo que é a adoção. Romantiza o abuso como forma de amor. E faz parecer que presença é a única coisa que uma criança com abandono paternal realmente perdeu, que a má companhia é superior a não-companhia, e isso não é verdade. Eu certamente preferiria meu pai-biológico do jeito que estamos agora a um pai abusivo, e meu pai não ter sido um pai abusivo, mas ao contrário disso, um pai amoroso é um dos principais fatores que permite que ele seja meu pai.

Mas enfim, vamos ao que importa. Peter Quill no primeiro filme tinha um pai sumido e uma família de escolha e uma jornada familiar diferente da dos outros heróis da Marvel. Mas agora tudo mudou, agora ele acabou de perder dois pais, um biológico e um adotivo. Se tornando oficialmente um órfão. E o que isso significa? Que agora ele tem uma história de origem de um super-herói de verdade. Então ele pode finalmente brincar na mesma caixinha de areia que os Avengers.

InfinityWar

Hooray!! Crossovers. E a minha sorte é que o Thanos está contratualmente proibido de ter alguma redenção, então a chance dele falar pra Gamora que tava de zoeira, salvar a vida dela e ganhar um discurso bonito dela no seu funeral sobre como ela teve um pai foda são nulas… se bem que… a Leia foi no funeral do Darth Vader, né? Hollywood é toda errada, puta que o pariu.

10 thoughts on “Guardians of the Galaxy vol.1 & vol.2 – O que define família?

  1. Então, de inicio, parabéns pela análise foda novamente. Eu realmente invejo a forma como consegue expor seus argumentos.

    Enfim, eu tenho chance de soar MUITO parcial neste comêntario, por sou muito, mais muito apaixonada pelo univeroso Marvel. E sim, principalmente o cinematografico, que eu só não perdoo por algumas pérolas como IronMan3, Civil War (argh, odeio até a HQ) e o fato de não ter um filme da minha personagem favorita, provavelmente de todas as sagas existentes, Natasha Romanoff. Mas vamos lá, tenta ignorar a minha falta de imparcialidade e hipocrisia.

    Você parece ser o tipo de cara que não gosta de enrolação, então vamos direto ao ponto: é, tem razão. Eu nunca tinha parado para pensar desta maneira, e a unica coisa que me incomodava era o fato do Quill ser um cuzão e todo mundo gostar dele. Na verdade, todos são uns babacas.

    Não vou entrar no mérito do Groot, por bah. Mas Drax acha que pode justificar todas as mortes que cometeu, as pessoas que deixou viuvas, orfãos ou abalados apenas por ter perdido a familia. E, eu sei, que horrivel, mas conheço gente que “superou” isto sem cometer um assasinato em massa. Me lembra a frase de uma música, “Não sei porque chora por seus amantes mortos, logo depois do seu próprio gênocido”.

    Quill é quase um Barney Stinson, exceto que ele não é sexista. E a Gamora…a Gamora eu ainda acho que pode aprender com tudo isto. Ela representa, pelo menos para mim, a forma como nos vitimizamos, e esquecemos que as pessoas ao nosso redor também sofrem, as vezes mais que nós, assim achando que isto oferece uma justificativa para as hostilizarmos, mesmo que isto seja apenas mais uma visão EGOentrica no mundo (sim, eu fiz está bosta de trocadilho).

    Na final, a questão é que para Quill, Yondu parece melhor “por comparação”. Depois que ele conheceu o pai-maniaco-pevertido-egocentrico, Yondu não parecia tão mau, parecia? Pois é. Grande merda, Peter.

    Mais engraçado, é que eles até tiverem momentos bons juntos em que Yondu demonstrava se importar, mas isso não foi explorado.

    Mas pera, perdi a linha de raciocinio. Bom, no fim este é só um comêntario inutil apresentando minha opinião a respeito.

    Ah, enfim. Você planeja falar mais a respeito da Marvel? Sei que não tem muito apreço pela mesma, mas eu adoraria ler mais resenhas a respeito da editora/marca/produtora/ah, pergunta-pro-stan-lee, principalmente sobre Jéssica Jones. Falando em série, Stranger Things, tem algo planejado?

    Alias, muito bonito o seu relato. Muito obrigada novamente por compartilhar os seus pensamentos conosco.

    P.S. NUNCA SE DANEM AS CENAS PÓS CRÉDITOS >:3

    Liked by 1 person

    1. Eu não tenho a menor intenção de falar dos filmes que vieram até Avengers 2. Vi todos, gostei de alguns, não gostei de outros, mas no geral nenhum me despertou vontade de falar mais do que “gostei por isso” ou “não gostei por isso.” Depois de Avengers 2 foi quando eu parei de assistir a todos, e ver quais tinham cara ou não de serem bons. E aí estou meio desatualizado. Vi o Guerra Civil e o Homem-Aranha, gostei dos dois, mas com aquelas ressalvas. Mas hype nenhum por esse filme do Thor que tá agora, por exemplo. E nem vi o Dr. Estranho. Mas quero ver o Pantera Negra. Então pode ser que eu faça mais textos sobre o MCU depende do que for saindo, mas eu já parei de ver o universo inteiro por “tenho que me manter atualizado sempre”, então talvez algum bonzão que renda um texto bom passe batido por mim e alguém precise me recomendar. Guardiões 2 mesmo foi a chuva de recomendação aqui no blog que em motivou a ir assistir, eu tava adiando bastante esse filme. Então podem ir recomendando, não importa se eu falei mal ou não da Marvel, se tem cara que “ah, mas dá uma olhada nesse filme Marvel aqui, dá pra tirar muita coisa dele.” podem comentar. E vale pra todos vocês lendo os comentários.

      Eu queria escrever sobre o Quadrinho da Guerra Civil na real. Já comecei uns três textos sobre o tema, mas eu me perco no assunto. Eu tenho uma lista de vários textos que eu tento escrever mas não saem. Mas acho que o quadrinho é um pano pra manga pra debate muito forte (embora como você, eu ache ele ruim. Mas obra boa e ruim as duas dão material pra debater).

      Das séries vi só a primeira temporada do Demolidor. Gostei, mas não vi Jéssica Jones, Luke Cage nem Iron Fist. Talvez aconteça, por que, não?

      E quero escrever sobre Stranger Things sim. Quero faz um ano, mas não me veio a inspiração. Quem sabe quando eu terminar a segunda temporada me bate uma grande ideia.

      Gostar

  2. Sinceramente, amei seu texto!!!!!!.
    O curioso foi que eu achava o segundo filme melhor do que o primeiro, mas era pq tinha me feito rir mais, porém eu nnca conseguia pensar fora a comedia do pq o filme era melhor. Seu texto me deu uma nova perspectiva.
    Peter é um merda e que infelizmente entrou para o clichê das historias tragicas de origem

    Liked by 1 person

  3. Algum possível futuro texto sobre Madoka Magica? sobre desconstrução de gênero, trio freudiano e etc? Seus textos são ótimos, adoraria ver uma análise sobre. Sobre o texto, não é de hoje que a indústria do entretenimento passa mensagens erradas ( A mídia da 2º guerra mundial explicita bem isso, colocando a Alemanha como vilã e os Estados Unidos como herói,
    sendo q Hitler tinha boas intenções, só as levou muito longe, e sempre q falamos em 2º guerra, hiroshima e nagasaki é varrido pra debaixo do tapete ). Enfim, seu blog é ótimo, fui 🙂

    Gostar

  4. A única explicação lógica para a cagação de toda a lógica dos dois filmes chamada Youndu é que o ator é super amigão do James Gunn.

    Ah, e a Leia não foi no funeral do Vader não. O único que foi no funeral de um cuzão sangue frio genocida autoritário que trai todo mundo ao seu redor (seja o Obi Wan ou o Imperador, ninguém escapa das trairagens dele!) chamado Darth Vader foi o Luke.

    Liked by 1 person

  5. Todo essa historia do Youndu com o Peter me lembrou muito a relação do Piccolo com Gohan, gostaria de saber sua opinião a respeito. E ótimo texto, também odeio a cena do Kerchak em Tarzan e gostaria de saber o que você acha da Nova onda do imperador.

    Liked by 1 person

    1. Tem suas semelhanças, mas acho que a maior diferença é justamente quanto afeto foi mostrado entre o Gohan e o Piccolo antes do sacrifício do Piccolo. Durante o começo do pesado e cruel treinamento do Piccolo o Gohan falava que acreditava que o Piccolo era uma boa pessoa se fazendo de cruel. Depois o Kuririn pergunta pro Gohan se o Piccolo foi cruel demais e o Gohan defende o Piccolo dizendo que ele é sim uma pessoa muito bondosa. Por último em seu leito de morte Piccolo admite que amoleceu por que Gohan foi a primeira pessoa que tratou ele feito gente.

      Então por baixo de toda a crueldade do treinamento pesado e do Piccolo mantendo a fachada de demônio, ambas partes deixaram transparecer afeto um pelo outro, sem deixar tudo como “não-dito”, como Yondu preferiu fazer. Dito isso, eu, como vários outros fãs, considero o Piccolo um pai adotivo do Gohan.

      Mas não nego que tenha suas semelhanças.

      Gosto muito da Nova Onde do Imperador. Racho o bico naquele filme. Muito bom.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s