Saint Seiya: Como o exército de Atena poderia ser mais funcional?

S

Vamos falar de Saint Seiya? Vamos, vamos! Então lá vai: Vamos dedicar um texto inteiro aos Cavaleiros de Atena, uma promessa que eu fiz faz muito tempo, faz mais de um ano, e nunca cumpri, pois fiquei adiando esse texto, sempre que eu ia escrever eu tinha uma ideia de algo que eu queria escrever antes. Então é hora de pagar com as dívidas! É uma nova era no Dentro da Chaminé, novo design, e nova postura a de cumprir todas minhas promessas (exagero, provavelmente vou voltar a falar “vai rolar texto x” e demorar pra escrevê-lo ainda).

Afinal de contas, foi um dos animes mais populares da história de nosso povo, e merece o foco do Dentro da Chaminé para olhar a obra bem de perto.

E o que eu quero falar sobre Saint Seiya? Adoraria falar de como é um dos poucos exemplo de obra em que seus spin-offs não-canônicos são mais legais que a obra original, mas ainda não vi todos os spin-offs para dar a análise completa do fenômeno, então quero falar agora sobre a instituição dos Cavaleiros de Atena, que traduzimos para Cavaleiros do Zodíaco, quando na real não era nem para estarmos usando a palavra “cavaleiro” e sim a palavra “santos”, mas enfim, quero pensar aqui em como é que esse exército funciona, e como que Atena organiza seus seguidores para ganhar todas as guerras santas que ela enfrenta.

E bem, eu já pensei tudo isso na real. É por isso que estou fazendo o texto, e a conclusão a que cheguei é: ela organiza muito mal. Mas tipo, mal pra caralho. Não tirando os méritos dela, é claro, ela é a general e toda guerra santa que ela travou ela venceu, ela derrotou Hades duas vezes. Mas eu devo dizer que apesar de apresentar resultados, de todos os três deuses que foram demonstrados com clareza nos mangás, Atena é a que tem o exército mais desfuncional, disparado. E eu queria usar esse texto para vermos um pouco essa desfuncionalidade, e pensarmos em como seria bom, se nas obras futuras (já que Saint Seiya sempre tem um spin-off novo louco pra sair, nunca fica quieta a franquia) talvez o sistema possa melhorar e Seiya, Shiryu e Ikki possam se ver como parte de um grupo melhor e mais seguro para os próprios cavaleiros.

Mais seguro para pessoas como Aiolos, que morreram pelos nossos pecados.

Pois eu sinto que metade dos problemas do mangá teriam sido evitados ou solucionados com maior facilidade se a Atena tomasse as rédeas daquela porra e fizesse umas reformas. E a outra metade seria resolvida também, só não seria a maior facilidade. Eles só precisavam de Atena fazendo alguma coisa.

É você mesma, não se faz de boba não.

Então primeiro vamos recapitular qual é o lore da série: em um mundo em que todas as divindades da mitologia greco-romana existem de verdade e seguem influenciando nossas vidas, os Deuses gregos lutam entre si pelo domínio do mundo. Zeus decretou que ele daria o controle dos mares para Poseidon, do Mundo dos Mortos para Hades e da Terra para sua filha Atena, e desde de que isso aconteceu, Atena, Poseidon e Hades passaram a guerrear para conseguir dominar o território dos outros dois.

Porém Deuses não lutam entre si pessoalmente, eles lutam usando seus seguidores, então eles escolhem os humanos mais aptos à tarefa, e fazem esses humanos lutarem em seu nome, dando a eles armaduras que ao mesmo tempo que simbolizam a lealdade desse humano com o Deus e a conexão desse humano com o cosmo, a armadura também deve proteger um corpo humano frágil do golpe de alguém que luta com uma força de quem foi abençoado pelos deuses.

E é nessa perspectiva, pensando que Atena é primeiramente uma líder militar buscando manter seu território, e liderando pessoas para matar e morrer em prol dela manter seu domínio sob a Terra que vou julgar suas decisões aqui. Porque a essência da organização dos Cavaleiros de Atena é essa, e independente do que Saori fez ou deixou de fazer em algum spin-off, os Cavaleiros de Atena existem, lutam, matam e morrem desde muitos milênios antes de Saori nascer.

Então vamos lá, enumerando os pontos que mais dão problema para a funcionalidade e eficiência dos Cavaleiros de Atena.

Muita dificuldade de substituir soldados falecidos.

Ta aí uma coisa que me deixa cabreiro de verdade com Saint Seiya. Como em 13 anos depois da trágica morte de Aioros de Sagitário, nunca houve a ascensão de outro guerreiro sob o manto de sagitário. Um novo Cavaleiro de Sagitário nunca surgiu. Como assim? Como que Atena mantém sua guarda de elite desfalcada dessa maneira por 13 anos? E se Hades ataca?

De certa forma o que Seiya e os demais fizeram foi um ataque ao Santuário, e o fato da casa de Sagitário e de Libra estarem vazias foi de uma grande ajuda, visto que mal deu tempo de chegar até a última casa e falar com Saga.

Isso não existe, alguém tem que ser promovido pra guarda de elite, mas você tem que jogar com o time completo. Não pode deixar 13 anos com 11 cavaleiros de Ouro só, isso não tem cabimento algum.

Gosto de pensar que eventualmente Seiya foi promovido ao novo cavaleiro de sagitário, e de acordo com a fanfic Saint Seya Ômega, foi mesmo, mas mesmo nela precisou de duas Guerras Santas pra isso acontecer, e ele precisou vestir a armadura em situação de emergência um trilhão de vezes até deixarem aquela ser sua armadura primária.

Isso faz com que o exército de Atena após uma vitória, fique extremamente exposto para um novo ataque, enfraquecido, pois suas tropas mortas demoram anos e anos para serem repostas. Eu entrei nas wikias de Saint Seya para fazer esse texto e descobri que as formações de Cavaleiros de Ouro são catalogadas por século, tipo, “Aldebaran foi o Cavaleiro de Ouro do século XX”, então espera-se que eles fiquem na ativa por uns 100 anos? Isso é guerra, gente morre.

O que se nota com o ataque de Hades diretamente ao santuário, onde somente metade dos Cavaleiros de Ouro estavam no local protegendo a deusa. Hades não estava atacando só com metade de suas tropas, Hades estava atacando com tudo o que ele tinha.

7 cavaleiros de 12 para ser mais exato, um pouco mais que a metade.

O grande problema, que gera isso é mais complicado do que meramente ir atrás de um substituto. É o próprio sistema de como Cavaleiros de Ouro viram cavaleiros de Ouro. Eles são treinados desde a infância para isso. Isso acontece porque todo cavaleiro nasce sob a proteção de uma constelação, e você precisa nascer sob uma constelação zodiacal para receber o treinamento pra cavaleiro de ouro, não basta ser do signo. Seiya nunca poderia ter treinado desde o início para ser o cavaleiro de Sagitário, pois ele nasceu sob a constelação do Pégaso. E ao mesmo tempo os cavaleiros de ouro originais não eram cavaleiros de bronze promovidos, eram pessoas que nascem raramente treinadas desde a infância.

Galerinha que nem tinha passado pela puberdade e já era soldado de elite no exército que comanda a terra. E agora, recrutar só gente que foi abençoada por uma constelação nos trás um segundo problema. O cavaleiro pode ter qualquer perfil de personalidade que se encaixa no exército de Atena se for devidamente abençoado, e usar esse destino como pré-requisito foi usado para permitir que diversos psicopatas que não defender os ideais de Atena infiltrassem seus rankings.

Cavaleiro de Ouro, assassino de crianças, torturador, colecionador de cadáveres, cúmplice do assassinato de Atena, mas a armadura de Câncer só abandonou ele quando ele tentou matar o Shiryu, que aí ele foi longe demais.

É um fato de que de 12 cavaleiros de ouro, 4 estavam confortáveis com o plano de assassinar a Deusa que eles juraram proteger.

O que estatisticamente me permite dizer que 1/3 dos cavaleiros de ouro querem mais é que Atena morra.

Por isso que esse lance de esperar um escolhido pela constelação surgir é furada, permite que uma galera horrível entre no time e faz ser tão difícil achar substituto para eles quando um morre, e a solução é passar décadas com a equipe incompleta. E por isso todas as batalhas travadas no mangá original foram travadas sem ter todos os cavaleiros de ouro disponíveis. O que é desfuncional. Tem que ter 12 Atena, não pode dar um jeitinho indo com 11 mesmo, ou 10, ou 6… todo mundo ali já é para estar treinando o substituto desde já para caso aconteça alguma coisa. É uma galera constantemente em guerra, eles tem que presumir que podem morrer ao mesmo tempo, mas que Atena deve continuar sendo protegida após sua morte. Mas só o Cavaleiro de Ares tem esse tato, aparentemente, com o Shion tendo treinado o Mu que treinou o Kiki.

Mesmo com os de bronze, não existe a sensação de que na morte de um cavaleiro de bronze, seu substituto é encontrado. Quando Hyoga achou a armadura de Cisne ela estava por anos dentro de uma geleira, o que significa que o mundo ficou anos sem um Cavaleiro de Cisne. Gente, isso não pode acontecer.

A armadura estava dentro da “parede de gelo eterno”, para o redor da armadura ser consumido por um gelo considerado inquebrável eu não acho que o cavaleiro anterior de Cisne tenha morrido um ou dois anos antes do Hyoga encontrá-la.

Já os rivais de Atena não tem esse problema. Poseidon aceitou o Kanon numa boa e o Kanon ainda conseguiu escolher a própria armadura, não esperou vir o cara que nasceu destinado ao Dragão Marinho para agitar sua invasão, senão esperava pra sempre. Hades mesma coisa, tanto que recrutou os próprios cavaleiros de Atena, se Hades não tinha uma estrela própria para dar pro Aphrodite, então deixou ele usar a própria constelação mesmo. No fundo, você tem que saber buscar ajuda de qualquer fonte, não ficar 13 anos esperando alguém nascer iluminado pelos céus.

Algum ali estava representando uma das estrelas que abençoam os soldados de Hades? Não! Mas ganharam armadura mesmo assim e agora Hades tem 5 soldados novos! Isso sim é um Deus que sabe ir com o time completo pra batalha.

E já que estamos falando dos Cavaleiros de Ouro aqui, vamos tocar logo em um ponto importantíssimo.

Hierarquização Desnecessária:

Vamos falar de uma coisa muito idiota: os Cavaleiros de Prata. Mas vocês provavelmente acha isso também, pois eles são muito chatos e não-memoráveis, e por serem todos buchas de canhão que apanharam pros protagonistas e nunca mais reapareceram. O que é um problema narrativo, não um problema da organização de Atena. A gente sabe porque os Cavaleiros de Ouro não foram bater em Poseidon, mas onde estavam os de Prata? Pois é.

Pois além disso, eu vou falar em porque eles são um problema da organização de Atena também, o mero fato deles existirem é um problema para a organização interna do Exército de Athena.

Athena é o único membro do Panteão que divide seus exércitos em três níveis hierárquicos e não em somente dois. Poseidon e Hades tem soldados de Elite e soldados Normais. O que é normal, afinal os soldados de Elite ocupam posições de liderança na guerra, mas os soldados normais formam o grande número que vão pra porrada. Não existiam os soldados do meio-termo de Poseidon, pois não precisava disso não.

E aí temos os Cavaleiros de Prata. Que só atrapalham a porra toda. Representando uma hierarquia média entre os soldados normais de bronze e os soldados de elite de ouro, eles nunca realmente tem seu valor hierárquico colocado a prova. As amazonas de prata mais relevantes nas batalhas: Marin e Shina, nunca tem seu status de hierarquicamente superiores ao Seiya enfatizado em nada e elas geralmente estão em pé de igualdade a Seiya e os demais pra lutar, uma luta em que uma das duas lutava nunca parecia que simbolicamente o nível aumentou pois a ajuda veio de uma amazona de prata. Não é diferente em carga simbólica aparecer a Marin ou o Jabu na retaguarda, exceto pela diferença de que a Marin é carismática e ninguém gosta do Jabu.

O fato de Shina ser o soldado mais experiente ee hierarquicamente superior da batalha inteira contra Poseidon não é trazido a tona em nenhum momento. Eu não vou entrar no mérito do Seiya estar na ocasião com uma armadura de Ouro, pois o Ikki parecia uma presença muito maior do que a Shina. Claro que isso pode ser explicado por ela ser mulher em um mangá machista, e pelo protagonismo dos cinco, mas também mostra o quanto o título “Cavaleiro de Prata” é completamente desprovido de impacto na hora das lutas.

Essa falta de real diferença de nível é tão visível, que no spin-off Saint Seiya Ômega, metade dos cavaleiros de bronze vestem armaduras que outrora foram de prata e ninguém liga. Porque foda-se. O que nos dá a entender que depois que a guerra estoura bela bosta ser cavaleiro de prata. Mas e enquanto não estoura uma guerra?

Em Saint Seiya Ômega, Yuna é uma amazona de bronze, que usa a armadura de águia, originalmente uma armadura de prata da Marin. A armadura regrediu? A verdade é só que ninguém se importa, bronze e prata só não exercem uma diferença observável no mangá ou no anime.

Pois é, aí é que está o perigo, pois enquanto não estoura a Guerra Santa, os cavaleiros de prata ficam diminuindo os de bronze como se eles fossem muito melhores e mais fodões. Gerando um sentimento de “fundo da hierarquia” para os Cavaleiros de Bronze, quando eles são somente soldados normais. E no geral, a hierarquia de prata serve unicamente para diminuir a auto-estima e a moral dos soldados de bronze, que por serem muitos, são parte fundamental de uma guerra santa.

A participação mais notável que os Cavaleiros de Prata tiveram na franquia, foi logo depois da batalha contra Ikki, em que uma tonelada de Cavaleiros de Prata foram tentar matar o Seiya só pra levar um cacete de proporções homéricas. Não só o única missão que eles enquanto “ranking” foram designados, foi o assassinato de colegas cavaleiros de nível inferior, como eles ainda tiveram um fracasso que mancha toda a classe dos cavaleiros de prata.

Uteis somente na hora de ser escroto, mas na hora da relevância a diferença hierárquica desaparece? Então essa hierarquia nem devia existir em primeiro lugar. Que sejam só cavaleiros normais e de elite, dois rankings, como literalmente todo outro deus grego fez. Pelo contrário, a existência dos cavaleiros de prata, só gera rivalidade entre os rankings de cavaleiros que terminam em fogo amigo, o que já me leva ao próximo ponto.

Muito Cavaleiro matando Cavaleiro:

Para um exército que defende a Deusa Atena e que constantemente enfrenta os exércitos de outros deuses como Poseidon, Hades, Eris, Marte e talvez um dia Zeus quando o antecipado Arco de Zeus chegar, pode-se estimar que os defensores de Atena correm constantemente o risco de morrer nas batalhas contra esses outros deuses, não é? Mas não, estatisticamente, é confirmado que a maior causa mortis para um cavaleiro de Atena falecer, é uma luta com outro cavaleiro de Atena.

Sim, isso acontece o tempo todo. Aioros de Sagitário morreu pra Shura de Capricórnio, que morreu pra Shiryu de Dragão. Os cavaleiros de ouro foram dizimados pelos cavaleiros de bronze. E tiveram sua força reduzida pela metade. E tecnicamente o Seiya matou o Shiryu, mas depois reverteu os efeitos e ressuscitou o colega.

Mesmo Saga de Gêmeos acaba sendo morto por sua outra personalidade.

Isso se deve ao fato de que eles lutam entre si muito mais do que lutam contra seus inimigos. Constantemente se policiando em relação a quem que está realmente cumprindo seus deveres e quem não está. Eles ficam medindo quem é mais cavaleiro na porrada o tempo todo, e isso muitas vezes acaba em tragédia.

Supostamente existe uma regra absoluta que diz “lutas entre cavaleiros são proibidas”, mas na prática, a única vez que essa regra foi aplicada foi quando os cavaleiros lutaram por esporte na Guerra Galática. Então é assim, o Shura pode degolar o Aioros que é de boa. Mas a luta de Geki contra Seiya foi imperdoável pro santuário? Ironicamente foi a Atena em pessoa quem organizou aquele torneio.

Os cavaleiros de Atena se matam tanto entre si, que não só o termo “luta de mil anos” existe para descrever os efeitos de um Cavaleiro de Ouro lutando com outro, como tanto Poseidon quanto Hades sempre recrutam um Cavaleiro de Ouro no mínimo para ajudar, afinal tão comum quanto essas lutas internas é a corrupção e os cavaleiros de ouro traindo Atena. Acontece o tempo todo. Quando a série começou, 4 dos 11 tinham traído Atena já.

Kanon, ex-cavaleiro de ouro que se alia a Poseidon.

E não me surpreenda que seja tão comum guerra interna e traidores de Atena ocupando altos cargos no exército, pois isso me leva ao principal problema de todos.

Falta de transparência em relação a identidade de Atena:

Pois é, é aqui que o bicho pega e onde a primeira semente pra todas as merdas que já deram no santuário foram plantadas. No fato de que todo mundo ali vive constantemente arriscando a vida para proteger Atena, mas ninguém faz ideia de quem é Atena em primeiro lugar.

Aqui temos um cavaleiro de ouro atacando a encarnação atual de Atena pelo fato de não saber que ela é Atena.

Ah sim, a preciosa Atena supostamente mora no Santuário na Grécia, depois das 12 casas. E também supostamente ela nunca sai de lá, e nunca pode ser vista pelos cavaleiros. E toda essa galera luta e morre por alguém que nunca viram. E esse nunca viram é tão literal, mas tão literal que quando o mangá começou ela estava fora do Santuário por 13 anos e ninguém notou.

Ela estava chicoteando órfãos.

O problema com isso, é que torna todo mundo manipulável. Supostamente a Atena instrui o Mestre do Santuário, e o Mestre do Santuário instrui os cavaleiros, o que é um meio de campo desnecessário, por que ela não instrui eles de uma vez só? Se não existisse esse cargo inútil de intermédio, o Saga não conseguiria dar o golpe de Estado que ele deu.

E vamos combinar aqui que esse lance do Mestre do Santuário usar máscara e se esconder, só facilita roubo de identidade e fraude também…. outro ponto em que a falta de transparência só fode tudo.

Atena entre várias coisas, como a Sabedoria e a Educação, também é a Deusa da Guerra, e ela deveria assim como os outros Deuses possuir uma armadura, e ser uma guerreira poderosa, mas ela nunca luta. Ela possuí sua armadura, mas é a única deusa que não vai pra porrada. Ela nunca faz literalmente nada. E isso obviamente abala a moral militar.

Se eu fosse um cavaleiro de ouro durante a batalha das 12 casas eu ia genuinamente pensar “Se a Atena está aqui no santuário, porque ela não desce aqui e dá um chute no saco desses otários?”

Olhem Poseidon e Hades, que além de liderarem diretamente seus comandantes, todo mundo sabia o rosto e a identidade de seus mestres, iam pessoalmente pra porrada. É completamente outro espírito. O Aioria de Leão literalmente ficou de frente com Atena e não sabia de quem se tratava. É difícil impor autoridade assim. E a culpa não é do Saga, é da própria Atena! Pois não foi com o Saga que esse lance de “Atena não deve interagir com ninguém” começou. Ele só tirou vantagem de um sistema quebrado, e do fato de que os Cavaleiros não tinham conexão nenhuma com a escarnação humana de Atena, para retirá-la completamente de cena e manter o exército inalterado.

Tanto não tem essa conexão como não hesitam em atirar uma flecha no coração dela.

Agora, como é que eles podem proteger uma pessoa que reencarna a cada ciclo de vida humana por milênios e cujo rosto eles genuinamente não conhecem? Se Atena for sequestrada com 70 outras garotas aleatórias de mesma nacionalidade? Como os cavaleiros do resgate vão saber qual é a verdadeira? Não vão. Onde isso é uma boa ideia? Já pensou um filme de guarda-costas em que o guarda-costas não pode saber o rosto, nem a localização do protegido em nenhum momento? Não faz sentido algum.

A organização do exército de Atena não faz sentido algum. Mas claro que o que importa são os resultados, e o resultado é que por milênios Atena está invicta. Muito embora não devesse com um grupo de pessoas dificílimas de treinar substitutos, mas que ficam diminuindo uns aos outros, se matam o tempo todo entre si quando não estão em guerras e que não sabem absolutamente nada sobre a pessoa que deveriam proteger? Não era para esse exército ter vencido uma única batalha. Era pro Hades governar a Terra.

Eis um cara que sabia o que estava fazendo.

Eu tenho um lance com Saint Seiya desconectado de tudo o que eu escrevi agora. É um desenho fundamental da minha infância e eu amo o lore do desenho, adoro os personagens, as constelações, as armaduras… mas nossa, como a história do desenho é ruim. Tão ruim, que nem tem graça mencionar os furos aqui, pois eles já são lugar-comum.

E por isso que o que eu mais amo em Saint Seiya é que mesmo a história sendo ruim, o lore é tão, mas tão rico, com sua sustentação em mitologia grega, com suas armaduras, com os diferentes poderes dos diferentes cavaleiros, que é muito fácil pegar essa base e fazer um spin-off bem feito. Claro, que se o spin-off for excelente, ele vai ser considerado “não-canônico”, e imediatamente o Kurumada vai fazer a própria versão dele do seu spin-off que vai herdar um monte de defeito da obra original e vai chamar de canônico, mas esse é o ponto, Saint Seiya é um worldbuilding daora, com personagens daora, e ferramentar daora para uma tonelada de pessoas criarem fanfics melhores do que a obra original. E por isso que eu sinto que eu posso sonhar, que depois de enfim abolirem o uso de máscaras para as Amazonas, puta lei retrógrada sem lugar no século XXI, e depois de enfim começarem a valorizar a astronomia tanto quanto a astrologia, incluindo Ophiucus como uma casa zodiacal, e flertando com o conceito do 13º cavaleiro de ouro, já está na hora de pensarem em temas como: “já que estamos fazendo spin-off de um exército que está lutando com outro exército, e se a gente fizer eles serem minimamente funcional, e fazer um anime de batalhas realmente foda?”

Não acho que “pode acontecer”, acho inevitável! E bem-vindo.

Sobre o autor

Izzombie

Sou um cara chato que não consegue ver um filme sossegado sem querer interpretar tudo e ficar encontrando simbolismos e mensagens. Gosto de questionar a suposta linha que separa arte de filmes comerciais, e no meu tempo livre pesquiso sobre a história da animação.

Por Izzombie

Sobre o autor

Izzombie

Sou um cara chato que não consegue ver um filme sossegado sem querer interpretar tudo e ficar encontrando simbolismos e mensagens. Gosto de questionar a suposta linha que separa arte de filmes comerciais, e no meu tempo livre pesquiso sobre a história da animação.

Alertas

  • – Todos os posts desse blog contém SPOILERS de seus respectivos assuntos, sem exceção. Leia com medo de perder toda a experiência.
  • – Todos os textos desse blog contém palavras de baixo calão, independente da obra analisada ser ou não ao público infantil. Mesmo ao analisar uma obra pra crianças a analise ainda é destinada para adultos e pode tocar e temas como sexo e violência.

Artigos recentes

Categorias

Parceiros

Blog Mil

Paideia Pop

Gizcast

Arquivo