19ª Temporada de South Park: Quem foi o alvo da temporada?

Provavelmente a característica mais poderosa de South Park é que seu humor funciona em camadas. À primeira vista, parece que um episódio inteiro foi feito para ridicularizar X, mas depois olhando bem, podemos ver que esse episódio ridiculariza X para enfatizar o quanto Y é escroto. E assistindo uma terceira vez o episódio podemos ver que a ridicularização de X e Y é para nos mostrar a verdade, de que Z é um problema atual na sociedade.

ScauseBreastCancer
O episódio Scause for Aplause, começa como uma paródia da polêmica envolvendo Lance Armstrong e o doping, e se tornou algo mais amplo sobre como as fábricas de pulseiras lucram em cima de pequenas causas se aproveitando da necessidade do povo de querer mostrar que se associa a causas.

Sempre parece muito óbvio quem é a vítima primária do humor ácido de Trey Parker e Matt Stone, mas após uma análise séria ser feita no episódio, percebe-se que muitas vezes não se resume ao mais evidente. Embora se prestarmos atenção, podemos ver o padrão de que a grande crítica é sempre contra os habitantes de South Park, que por sua vez simbolizam a sociedade americana e o expectador.

HoneyBooBoo
O episódio Raising the Bar parece inicialmente uma tiração de sarro com a Honey Boo Boo, mas na verdade critica diretamente o quanto a televisão e os reality shows perderam completamente os limites, e o público que dá a audiência é um cúmplice.

Assim, o episódio em que os professores começam a dar aula de educação sexual e deixam a própria ignorância em relação ao sexo impedirem eles de deixarem claro para os alunos do que aquilo se tratava. A crítica não é contra os professores, e sim contra os pais que delegaram aos professores a tarefa de falarem sobre sexo com as crianças, pois eles não queriam. Da mesma forma o episódio Margaritaville, mostra os habitantes de South Park temendo a economia americana como quem teme a um deus, enquanto a moral da história era de que eles faziam a economia funcionar, e o ato de não consumir por medo de uma crise só agravava essa crise. Não era um Deus a quem eles serviam ou eram punidos e algo sobre o que eles deviam saber que tem controle e recuperar o controle Mas o povo ignorante de South Park não faz isso, eles raramente aprendem a lição e seguem sendo ignorantes. No episódio que mostra como o Wall-Mart é uma empresa do mal que causa mais danos que benefícios, termina concluindo que a culpa do poder do Wall-Mart é da sociedade que consome nele e sustenta sua existência.

WallMartHeart
Os garotos vão até a fonte do poder do Wall-Mart e descobrem um espelho. Eles mesmos eram a fonte do poder do Wall-Mart.

Agora, a culpa é sempre da sociedade na maioria dos episódios de South Park, mas a série nunca separa a sociedade de seus personagens. A sociedade é formada por todos os habitantes de South Park, então eles tem que enquanto uma comunidade mudar seus hábitos e deixarem de ser ignorantes, por isso a culpa é sempre dos personagens, e não da sociedade como uma instituição separada dos habitantes da cidade.

Enfim, na 19ª temporada, South Park fez algo diferente. Embora eles tenham aumentado a sua continuidade gradualmente a cada temporada já tem alguns anos, essa foi a primeira temporada que foi inteira conectada por um tema maior, em um grande arco de história. Não é mais ambicioso como já foi na década passada para uma série animada fazer isso, mas foi a primeira vez que South Park fez e o que mais chamou a atenção nessa 19ª temporada é que praticamente todos seus episódios abordaram o politicamente correto.

SocialJustice123
Social Justice 123! I wanna be PC! It’s just the way to be for me!

South Park sempre foi uma série de humor negro, que nunca teve a menor hesitação em colocar minorias em suas piadas e até agora a única vez que não se safaram foi quando tentaram zoar com Maomé, mas o episódio não foi ao ar, graças às ameaças de bomba feitas por fanáticos religiosos.

Superbestfriends

Por conta disso, a série sempre esteve muito confortável em avacalhar completamente com o politicamente correto. O que é de se esperar. Mas diferente de outras animações adultas, eles nunca explicitaram o politicamente correto como seu inimigo jurado. Da mesma maneira que Family Guy já fez.

FCC
Em defesa de Family Guy, o FCC é mesmo uma grande merda.

O politicamente correto costuma se apresentar na série sendo personificados em dois personagens. O primeiro é Kyle Broflowski, melhor amigo de Stan Marsh. Embora South Park tenha um quarteto de protagonistas (que foi organicamente promovido a um quinteto depois da sexta temporada), é evidente que Stan é o protagonista da série. E ao lado de Kyle, é através de Stan que os autores falam o que eles pensam. Cartman pode ser o personagem mais famoso, mas ele é um escroto, um personagem maligno e tudo o que ele faz é cruel, o que, como já falei aqui no passado, funciona muito bem para um personagem central em uma comédia. Mas o ponto de vista dos autores é sempre Stan e Kyle. Stan se manifesta como grande voz do bom-senso em toda a cidade de South Park. Enquanto Kyle se manifesta como grande voz de fazer o que é certo. Por conta disso, Kyle está em um permanente conflito com Cartman, pois ele é o oposto de Cartman. Se o Cartman dá a fama politicamente correta para South Park, Kyle defende tudo o que é politicamente correto, e que se faça sempre a alternativa mais decente.

KylevsCartman
Kyle frequentemente se alia a Cartman quando é iludido a achar que Cartman está lutando por uma causa nobre, mas quando eventualmente descobre o real plano de Cartman sempre o trai e fica ao lado do que é certo.

O segundo personagem que personifica o politicamente correto na série é Wendy Testaburger, a namorada de Stan. Ela é engajada politicamente e constantemente se manifesta em prol de minorias e das causas mais comentadas do momento que o episódio é escrito. Assim como Kyle ela é um dos personagens mais próximos do protagonista, Stan, e antagonista de Cartman. Ela odeia Cartman, inclusive já tendo dado uma surra nele em um episódio em que Cartman fez uma piada sobre câncer de mama.

WendyvsCartman
Que grande momento.

E agora na 19ª temporada foi introduzido um terceiro personagem. PC Principal (traduzindo literalmente como Diretor PC, sendo PC uma sigla para “politicamente correto”.)

PCPrincipal

PC Principal é o novo diretor da escola de South Park, e a primeira cena do primeiro episódio da temporada já mostra ele chegando colocando o pau na mesa. Ele recapitula o quão racista e intolerante a cidade inteira é, citando exemplos de diversos episódios das temporadas passadas. Ele veio para consertar South Park e tinha certeza de que é o que faria.

PCPrincipalDiscurso
“Estamos no Colorado, não é? Cadê as crianças latino-americanas? Onde estão as minorias étnicas? Eu joguei South Park no Google antes de vir pra cá, e não posso acreditar de como vocês estão se safando. Pessoas que dizem lutar por direitos de pessoas trans, mas na verdade só queriam usar o banheiro feminino. Um homem branco que acha que é chinês e construiu um muro para manter os mongóis fora da cidade. Que porra é essa? Cês tão de zoeira? Estou avisando, isso acabou, gostem ou não, pc voltou e está maior do que nunca. Estão ouvindo esse som? Esse é o som de 2015 chegando até vocês, engulam!”

E como Kyle e Wendy já fizeram no passado, ele espanca Cartman. Logo no primeiro episódio, por ter cometido duas microagressões, uma contra italo-americanos e outra contra mulheres. E é assim que PC Principal resolve seus problemas.

SurranoCartman

Sim, PC Principal é um bully que está pronto para humilhar e ferir fisicamente qualquer homem branco hétero cis que não esteja ciente de seus privilégios. Mas ele fará isso sozinho?

Claro que não! Ele monta uma fraternidade cheia de adolescentes homens brancos héteros e cis para ficarem bebendo e dando festas entre eles enquanto desconstroem preconceitos e problematizam a fala dos outros. Praticamente igual às faculdades de humanas da USP, só que nos moldes dos frat boys americanos que todos amamos ridicularizar

PCA

Sério, frat boy é um conceito muito zoado, tá entre o que a cultura americana tem de pior.

E como eu disse, nenhuma minoria nesse grupo que luta por minorias. PC Principal além de um bully e um hipócrita da porra. Por isso logo no primeiro episódio muitos devem ter pensado que a temporada seria uma crítica a ele e ao que ele representa. Mas o que ele representa? Ele é uma paródia dos Social Justice Warriors que estão na internet, frequentando suas redes sociais e desconstruindo os paradigmas em tudo o que você posta. É com isso a crítica? Não. Isso é simplista demais. Ele paródia os Social Justice Warriors, mas a temporada não veio pra criticar os Social Justice Warriors. Veio criticar a hipocrisia.

SJW

PC Principal traz mudanças à cidade. A primeira é que seu lado politicamente correto traz a tona o lado escroto das pessoas escrotas. Um exemplo é o Sr. Garrisson, um péssimo ser humano, que constantemente é usado na série para ser um antagonista menor. Ele é racista, intolerante e cuzão. E é também um dos professores de South Park, então nessa temporada ele é obrigado pelo PC Principal a dar aula aos refugiados imigrantes, e por ele odiar imigrantes ele briga com PC Principal, se recusa e passa a militar contra os imigrantes na cidade, se tornando uma paródia de Donald Trump, que atualmente está tentando se tornar um candidato à presidência para as eleições de 2016.

Garrisson
“Eu posso não entender de política. Ou de política de imigração. Ou da lei. Ou de conceitos ideológicos básicos. Mas, porra, eu entendo que tá cheio de imigrante aqui e vou fazer algo a respeito.”

Garrisson se torna um candidato à presidência e logo vira uma grande piada nos EUA, afinal ele é tão babaca e intolerante que seu slogan de campanha é uma grande apologia ao estupro, e por isso todos nos EUA começaram a achar que todos os que vêm de South Park devem ter as mesmas ideias que ele, o que despertou na cidade a necessidade de se provar tolerante. Eles tinham que provar para o mundo que eles não eram um bando de racistas. Então liderados por Randy Marsh, pai de Stan e membro da panelinha politicamente correta do PC Principal, eles decidem que vão ter um Whole Foods na cidade.

WholeFoods

Whole Foods é uma cadeia de supermercados nos Estados Unidos que é especializada em comidas orgânicas, usa sacolas biodegradáveis e é cheia de panfletos de quanta energia eles economizam e em geral um lugar muito adorado pelos americanos que tem uma grande consciência ambiental, e que podem pagar pelos produtos caros que vendem no Whole Foods, que são bem mais caros que a média. Um público mais refinado e mais tolerante e que aceita a “cultura pc”. Claro que o Whole Foods é uma grande cadeia de supermercados, muito lucrativa e um bom exemplo do quanto o desejo de alguns brancos de classe média provarem que eles não são intolerantes e sim bons exemplos de pessoas que respeitam as minorias, é um desejo lucrativo.

Mas o Whole Foods, sendo um símbolo de uma boa vizinhança e sendo associado a espaços bem frequentados por uma galera descolada que prefere os produtos da Apple, e que tomam seus cafés no Starbucks, não vai abrir em qualquer vizinhança, somente em uma que corresponda com a imagem de publico que eles desejam. E para dar essa imagem à cidade, Randy lídera a cidade em gentrificar a área pobre da cidade, onde fica a casa de Kenny. Em uma região que eles chamam de Sodosopa (South of Downtown of South Park).

Sodosopa

Todos gostam da gentrificação, agora eles tem um point para boa comida, apreciação de cultura e lazer, onde os habitantes de South Park podem se sentir bem em relação ao quão descolados e tolerantes eles são. Mas isso é escroto, pois a gentrificação tornou o local muito pior para se viver para a família de Kenny, que não pode pagar pelos preços altos dos restaurantes abertos. Mas Kenny rapidamente mata Sodosopa liderando uma gentrificação do centro de South Park, que passa a se chamar CtPa Town (The City Part of Town), o plano funciona, o Whole Foods abre no centro da cidade, e agora todos os habitantes de South Park podem viver bem consigo mesmo. Afinal todos sabem que eles, diferente dos americanos toscos que votam no Sr. Garrisson, são diferentes, são parte de uma comunidade tolerante e descolada que vive em bairros gentrificados e compram no Whole Foods.

SouthPark

Mas claro que isso vem com seu lado negativo. Randy começa a se sentir desconfortável com o fato de que no caixa, constantemente pedem para ele doar dinheiro para crianças famintas na África, e quando ele se recusa ele é exposto e pelo homem no caixa.

RandyWholeFoods
Seu troco está na caixinha, senhor, é só tirar o sanduíche da boca da menina e pegá-lo.

A gentrificação e o Whole Foods aumentam o preço de toda a economia local e deixam a região da cidade inabitável pelos mais pobres, mas causa uma sensação forte de bem-estar e de ser parte de uma comunidade que se importa. Doar dinheiro para uma instituição que combate a fome é um jeito bem mais direto de realmente ajudar quem precisa, porém Randy não quer ter que realmente fazer algo pelos outros, ele quer se sentir bem por ser pc e por ser tolerante e por viver em uma sociedade onde ele vê essa tolerância nos olhos de todos os outros habitantes.

Ele aproveita que PC Principal estava obrigando Butters, a criança sensível, ingênua, inocente e pura de South Park, a filtrar todos os comentários negativos das redes sociais de Cartman e outras celebridades que sofriam de body shaming (críticas por não estarem nos padrões de beleza), e começa uma campanha contra charity shaming (críticas por não praticar caridade), afinal, assim como todos deviam ser capazes de se sentir confortáveis consigo mesmo, independente da aparência, elas também deviam ser capazes de se sentir confortáveis consigo mesmas, independente da atitude.

ShamelessAmerica
O ciclo se fecha quando Randy aparece ao lado de crianças africanas para pedir dinheiro para sua campanha para que ele não precise ser julgado por não doar dinheiro para as crianças africanas.

Claro que a campanha contra o body shaming acaba quando Butter é hospitalizado pelo choque de realidade que ele sofreu lendo tudo que a internet tem de mais cruel no mundo concentrado somente nele. Por isso Randy resolveu ajudar Butters fazendo as crianças na África filtrarem os comentários negativos na internet, em vez de Butters, e passou a pedir doações para essa causa no Whole Foods.

Pois o sofrimento de Butters choca mais Randy do que o das crianças na África. Todo esse episódio é uma grande crítica às prioridades de Randy, em como ele compara a exposição que ele sofre no supermercado como igual a que celebridades sofrem na internet. E enfatiza que o seu objetivo em tudo que ele tem promovido de politicamente correto na cidade, é se sentir bem consigo mesmo, e não realmente ajudar ninguém.

Naoeotimo
“Não é ótimo ter um Whole Foods na cidade?”

E essa é a crítica da temporada. Não contra o politicamente correto em si, contra o uso do politicamente correto como arma para o próprio bem-estar em contraste com o uso do politicamente correto para efetivamente melhorar a vida de alguém. Ninguém ali luta pelas minorias, eles vivem em um ambiente predominantemente branco e hétero, e só querem não ser taxados de racistas ou homofóbicos por não incluírem minorias em seu cotidiano de comidas orgânicas caras.

O episódio seguinte é sobre como a cidade confundiu Tweek e Craig com um casal gay, e já ganhou o próprio post nesse blog, e o episódio logo após esse é sobre como, agora que Kenny matou Sodosopa e a área da casa dele não é mais um local badalado de South Park, sua vizinhança passou a ser rodeada por mendigos.

Mas Kenny não se abala e faz todas as crianças de South Park se tornarem um grupo ninja que afugenta os mendigos da região. Sem poder dormir perto da casa do Kenny, onde eles vão dormir? No centro da cidade gentrificado.

Mendigos

Para o horror de Randy e dos outros adultos.

Eles rapidamente recorrem à polícia para tirar todos os mendigos da região deles na base da porrada. Porém em um incidente recente, um policial foi expulso da força por ter atirado em uma criança latino-americana, e a polícia, que no próprio episódio admite que o grande prazer deles no trabalho é ser violento com minorias, ficou puta e se recusou a fazer qualquer trabalho na cidade até estarem liberados para bater nas minorias novamente.

Então eles fazem o pacto com a polícia, e prometem fazer vista grossa para toda opressão feita contra negros e mexicanos, desde que os mendigos continuem fora de sua zona revitalizada da cidade e do Whole Foods.

Trato
“Nós temos um acordo, não é mesmo?”

Novamente, apesar de todo o discurso da cidade, todos eles deixam de se importar com as minorias, no minuto em que o sacrifício delas impede que eles tenham que lidar com mendigos, eles também obviamente não se importam nem um pouco com os mendigos. Eles só se importam no bem-estar social que seu discurso promove.

O importante é que até aí, o personagem do PC Principal não foi forte em nenhum episódio exceto no primeiro. Ele chegou na cidade e começou a influenciar Randy, e foi Randy quem começou a fazer as mudanças hipócritas na cidade. E a hipocrisia de Randy, sendo Randy uma metonímia para toda a população adulta de South Park, é a grande crítica da temporada. O quão vazio é o discurso politicamente correto quando suas atitudes ainda promovem todas as coisas que você crítica. PC Principal foi o gatilho que começou tudo, mas ele virou um personagem secundário nessa primeira parte da temporada, até o arco de história da temporada começar com força.

Ele volta com tudo quando Jimmy, um personagem deficiente físico e muito carismático da série, aprova o uso da expressão “retardado” no jornal da escola, que ele promove. E PC Principal tem problemas em como lidar com isso, pois ele não pode ser violento com um deficiente da mesma maneira que ele foi violento com Cartman. Ele dá uma calma bronca em Jimmy, mas este ignora seu diretor.

SuperSchoolNews
Jimmy ainda aproveita para atacar PC Principal no seu jornal.

Jimmy é um comediante e pretende ser um comediante profissional, como um comediante e um jornalista ao mesmo tempo ele valoriza muito a liberdade para usar em seu jornal o termo que ele julga mais apropriado para descrever o que ele pensa, e no caso o termo foi “retardado” e ele não dá a mínima para o que seu diretor acha disso. PC Principal tem dificuldades lidando com isso, e chama Jimmy e os outros alunos deficientes do colégio para uma festa na sua fraternidade pc, para fazer Jimmy entender o quanto ele se importa com os deficientes e talvez assim fazer as pazes com o garoto.

JimmyPC

Porém é na festa que Jimmy vê a verdade. Ele vê os colegas de PC Principal, ignorando os deficientes, e fazendo discursos vazios em prol dos deficientes para tentar levar garotas pra cama. Ele se revolta com isso, e coloca isso no jornal para todos verem, para o pânico de PC Principal.

PussyCrushing

O importante é que PC Principal proíbe Jimmy de distribuir seu jornal no colégio, e Jimmy começa a distribuí-lo fora do colégio, chamando a atenção dos adultos para o jornal. O jornal logo se torna popular entre os adultos por não ter propaganda. E eis o verdadeiro vilão da temporada, as propagandas.

Atualmente toda mídia é recheada de propagandas, e de propagandas disfarçadas de conteúdo, e de propaganda disfarçada de notícias de jornais, e com a internet a invasão da propaganda em nosso cotidiano está cada vez mais intragável. E Jimmy em seu jornal luta contra isso, e faz questão de não ter nada disso.

ChasetheNews
Stephen explica como na internet, ele sente que ele está sempre caçando as notícias e tendo que esquivar de propaganda e te falsas noticias para chegar na verdadeira. Mas no jornal de Jimmy isso não acontece.

Claro que agora que seu jornal é popular, graças a censura de PC Principal, os publicitários tentam fazer Jimmy ter propagandas, quando Jimmy se recusa, ele é ameaçado com uma arma e resgatado pelo ex-policial Barbrady, o mesmo que atirou na criança latino-americana, e levado a um grupo de jornalistas dedicados a combater as propagandas.

Nessa reta final da temporada, a guerra contra as propagandas é narrada como uma grande paródia da guerra do homem contra a máquina retratada em diversos filmes como Matrix ou Terminator. Tem uma organização de jornalistas, que estão abismados com o fato de que Jimmy é tão contra propagandas, que ele é capaz de diferenciar qualquer artigo na internet entre um artigo genuíno e uma propaganda. E esses jornalistas usam Jimmy para confirmar que uma garotinha chamada Leslie é uma propaganda.

Leslie
Jimmy é formalmente apresentado a Leslie.

Leslie é uma estudante introduzida nessa temporada para ser parte de uma piada. Toda cena de palestra no colégio nos episódios anteriores, era interrompida do nada para PC Principal violentamente mandar essa garotinha chamada Leslie calar a boca e escutar. Sempre com a mesma garota. Até eventualmente mandar a polícia tirar ela da escola para servir de exemplo com o que acontece com quem conversa em vez de prestar atenção em palestras importantes sobre diversidade.

Porém Leslie era desde o começo uma propaganda. Ajudando a manipular a cidade para conseguir o que as propagandas querem. E o que elas querem? Gentrificação.

O plano maligno das propagandas é gentrificar todas as cidades do mundo até todas serem caras demais para o consumo de seus habitantes, e com isso elas criariam um mundo onde a humanidade não poderia habitar e venceriam a guerra do homem contra as propagandas.

Gentrificacao
“Não fica contido! O que está acontecendo com South Park está acontecendo em todo lugar.”

Para isso as propagandas manipularam toda a “cultura pc” e a geração de social justice warriors para criarem uma demanda de uma população mais politicamente correta e poderem ter uma desculpa para gentrificar as cidades.

Propagandas
Sempre que vocês tentam nos bloquear, ficamos mais espertos. Sempre que tentam nos parar, nos multiplicamos. Se um plano falhar, tentamos outro. Vocês nunca vão se livrar das propagandas.

Porém, o artigo de Jimmy abre os olhos para PC Principal perceber que o artigo era verdade, que seus colegas só estão interessados em usar a cultura pc para comer mulher, e que ele é o único que não entrou nesse rolê atrás de sexo. Isso e o fato de que ele viu um anúncio de seguros com ele e Leslie, fez ele questionar que talvez ele esteja sendo manipulado pelas propagandas. E por isso PC Principal parte em uma jornada para descobrir quem ele é, e o que está acontecendo.

SoNoRoPa
PC Principal começa a visitar zonas gentrificadas ao redor do mundo para descobrir quem manipulou seus ideias para o mal.

Com PC Principal em sua jornada, e Jimmy e Leslie nas mãos dos jornalistas, a escola logo percebe que o diretor desapareceu ao mesmo tempo em que os dois alunos com quem ele tinha mais conflito desapareceram também. E os cinco protagonistas, Stan, Kyle, Cartman, Kenny e Butters, logo vão investigar isso. Mas suas investigações constantemente são interrompidas pois eles se distraem vendo propagandas..

Leslie manipula Jimmy e depois Kyle para conseguir escapar e colocar os habitantes da cidade um contra o outro. Ela é uma propaganda, logo ela mente e manipula, mas ao final, PC Principal volta de sua jornada, onde ele visitou dezenas de zonas gentrificadas e matou dezenas de propagandas antropomórficas, ele volta para South Park e mata Leslie e salva a cidade, por enquanto.

PCPrincipalRussia
PC Principal mata propagandas antropomórficas na Russia.

O que coloca o PC Principal como o herói da temporada. A chegada dele começa a criar um conflito, ao perceber que ele é o causador do conflito ele entra em crise, vai em uma jornada de autodescobrimento, volta e destrói o vilão enquanto os protagonistas mal perceberam a dimensão do que ocorria de verdade.

MorteLeslie
“Ei Leslie! Sua espécie distorceu o pc e o usou para propósitos malignos, e isso me deixa puto! Você tá expulsa do colégio!”

Com Leslie morta, a última ponta solta que falta para a cidade, é se livrar do Whole Foods que trouxe status para a cidade, mas não trouxe nenhum bem.

FimdoWholeFoods
O Whole Foods vai embora flutuando como se fosse autoconciente, da exata mesma maneira que o Wall-Mart foi tratado.

A temporada encerra com PC Principal fazendo um discurso. Ele fala que mesmo que ele tenha sido manipulado para se tornar o diretor da escola, ele vai continuar sendo o diretor. Ele faz um discurso sobre como as propagandas são um inimigo perigoso, mas que eles podem derrotá-los se todos forem politicamente corretos. Ao que o Stan só responde “isso será difícil.”

Discurso
“Olá, todo mundo, escutem. Eu não sei vocês, mas eu estou cansado de microagressões e discursos de ódio contra nossa espécie. Temos um novo inimigo lá fora. Um adversário invisível, que é tão intolerante e racista que realmente acha que devemos todos morrer. Eles querem atrair nossa juventude, usando técnicas que são injustas e covardes. Mas não importa o quão forte eles nos batam, não podemos deixar que eles tirem de nós o pc. E por isso vou continuar sendo o diretor. Muitas mudanças virão nos próximos meses, mas o importante é que a única coisa que distingue quem quer nos matar de quem não quer, é que temos o ardente desejo por justiça social. Estamos em guerra, e a única maneira de vencer essa guerra, é ser o mais compreensível, não enviesado e politicamente correto possível.”

Enfim. Embora a temporada não tenha hesitado em fazer suas piadas às custas de todos os Social Justice Warriors, é fácil demais interpretar ela como uma grande crítica ao excesso de politicamente correto nos dias atuais, mas não é o caso. PC Principal como representante do politicamente correto, não foi responsável pelo que ocorreu em South Park. A hipocrisia foi, e embora PC Principal também seja um hipócrita da porra em suas primeiras aparições, foi a hipocrisia de Randy Marsh, representando a população média de South Park que por sua vez representa o povo americano, que gentrificou e vendeu a cidade para as propagandas. PC Principal reviu a própria hipocrisia, abandonou seus amigos frat boys que só queriam comer mulher, e foi usar o politicamente correto para enfrentar as propagandas e virou um herói. Tanto virou um herói que o discurso final é justamente o de que mesmo depois de tudo o que ocorreu, os personagens não devem abandonar o politicamente correto. Ele é a arma contra as propagandas.

Ao final a temporada fez duas grandes críticas, uma mais vaga e que já foi alvo de muitos episódios de South Park, que é a crítica à hipocrisia, ou seja, contra gente que vomita um discurso quando é conveniente, mas não a prática, o PC Principal é alvo disso no primeiro episódio e seus amigos pcs na fraternidade são culpados disso enquanto personagens, mas a temporada não trata a atitude politicamente correta e a hipocrisia como sinônimos. Todos os habitantes da cidade começam a dar dessas quando criticam a polícia por sua violência contra minoria, mas fazem vista grossa quando percebem que a polícia é conveniente para deixar os mendigos longe de sua área da cidade, permitindo a violência contra minorias. Todos na cidade vomitaram discursos que não praticaram, e o problema não está no discurso e sim no fato de que eles eram vazios sem a atitude dos personagens. A segunda grande crítica foi contra a gentrificação. O plano maligno das propagandas era gentrificar todo o mundo até não ser mais possível viver nele. E as propagandas usavam o politicamente correto para gerar discursos vazios na população para convencê-los a gentrificar. O personagem Nathan, afiliado aos vilões inclusive faz um discurso comparando o politicamente correto a gentrificação.

Nathan
“O que seria o pc senão uma forma verbal de gentrificação? Deixar tudo limpo, se livrar da feiura para poder criar uma falsa sensação de paraíso. Só uma coisa poderia viver nesse mundo… as propagandas.”

Gentrificar é pegar uma região para pisar no calo de todos os moradores até eles serem obrigados a sair da região por não conseguir se sustentar nela, devido à alta valorização dos imóveis e de tudo na região, e geralmente é encabeçada por uma galera descolada querendo revitalizar uma região da cidade. E é isso que South Park critica mais que tudo.

O politicamente correto e a galera pc? Eles podem ser chatos e inconvenientes, mas quando PC Principal abandonou seus colegas de fraternidade, ele se tornou o grande herói da temporada, pois o discurso não é o problema. O problema é a suposta falta de ação que ele carrega. O politicamente correto não serve para você se sentir bem com você mesmo, e poder dizer que é melhor do que os outros, por ser mais consciente e tolerante. O politicamente correto deveria ser sobre ser literalmente mais consciente e tolerante, é justamente sobre se tirar do centro de tudo.

Medalha
Por que no fundo o que os habitantes da cidade mais querem é ganhar suas medalhas, e serem vistos como melhores que os demais.

Lá atrás, na décima temporada, nove anos antes do PC Principal chegar na cidade, a série havia feito um episódio sobre carros híbridos. Segundo episódio da décima temporada para ser bem preciso. Chama Smug Alert Sobre como os donos tinham tanto orgulho de ser parte de um grupo de pessoas que se importam com o meio ambiente e não poluem, que toda a cidade de São Francisco (para onde os donos de carros híbridos eventualmente sempre se mudam) começa a ficar infestada de uma poluição letal feita da presunção de todos os habitantes (em um trocadilho com a palavra smog [poluição] e smug [presunção]. E essa 19ª temporada foi basicamente Smug Alert alongado em vários episódios e aproveitando para explicitar o quão escrotas são as gentrificações.

Hybrids

Mas e quanto ao politicamente correto em si? Acho que ainda vamos ver o PC Principal chutar muitas bundas intolerantes na 20ª temporada. E estar errado algumas vezes, pois ninguém é realmente protegido em South Park. Mas definitivamente do lado dos heróis.

Finalizo com a observação de que no primeiro episódio PC Principal chama a atenção para a ausência de personagens latino-americanos na série, e nessa temporada, eles introduzem o primeiro da série em 19 anos, Davi. Um garoto filho de pais mexicanos. PC Principal fez uma exigência e os criadores a cumpriram.

Davi

12 thoughts on “19ª Temporada de South Park: Quem foi o alvo da temporada?

  1. Excelente temporada e excelente texto. Quando vi o primeiro episódio fiquei com o pé atrás, achando q eles criticariam o politicamente correto só pela polêmica. Mas aí me lembrei que é south park, e as críticas de south park nunca são o que está na superfície, e esse texto demonstra bem isso. No mais, adorei o personagem PC principal. Ele é extremamente divertido como personagem e serviu um puta papel. Quero muito ver como ele vai se sair nas temporadas que não serão “dele”. Só vou sentir saudades do “EY LESLIE, SHUT YOUR FUCKING MOUTH” sagrado de todo episódio, haha. E que venha a temporada 20 pra ser ainda melhor.

    Gostar

  2. Realmente muito boa sua analise.
    Eu gostei mesmo e adorei tudo.
    South Park é MUITO bom, e essa cronologia que a série veio ganhando ao longo dos anos ajudou a manter uma renovaçãozinha na forma de contar a historia -critica-.
    E pensar que este ano faz exatos 10 anos que conheci a série…
    Meu ep favorito é o dos yaoi das fangirls pq SOU um fangirl. Light, mas sou.

    PS: eu tava desesperado. Vc demora MUITO pra escrever. Tava morrendo de medo de ter desistido deste lugar. Agora só falta o BlogMil voltar (não que tenha alguma coisa a ver com vc, mas enfim). Ótimo 2016 pra ti ;D

    Liked by 1 person

    1. O texto demoraram pois tirei umas férias no natal e ano novo. Mas eu estou tentando fazer um por semana aproximadamente. Se não tiverem imprevistos acho que consigo manter o ritmo esse ano.
      Que bom que curtiu o texto. Eu adoro South Park. Adoro desde a época em que eu era muito novo para gostar

      Gostar

  3. Acho que está faltando analises como a sua sobre South Park, principalmente no Brasil. Isso pq grande parte do fandom br(o que eu acompanho) acham que o programa é realmente um incentivo ao ódio, e que os produtores querem que nos transformamos em um Cartman da vida. Acabam contribuindo pra quem não assiste, ter o pensamento que é um programa escroto… pensamento que eu tive por anos até sentar pra assistir.

    Ótimo texto. Favoritei o blog e já vou ler os outros artigos, que parecem muito bons tbm.

    Liked by 1 person

  4. Parabéns pela análise. E querendo ou não isso é o que está acontecendo neste exato momento no nosso país. Pense na galera dos pcs sendo os políticos brasileiros.

    Gostar

  5. Tive uma análise diferente a esse episódio, mas como não escrevo tão bem vou me esforçar para ser corretamente compreendida.

    Acho que a crítica real é isso de elevar a homossexualidade como uma coisa sublime, só para não ser taxado de intolerante ou ultrapassado.
    Só recordar da conversa entre diretor PC e os meninos. Ele como diretor deveria ouvir a versão dos meninos sobre o porque da briga, mas já foi concluindo que os dois eram namorados. Ele ainda sugere que se um quisesse ver o do outro deveria pedir permissão – isso em um tom de incentivo ao homossexualismo, pois quando um deles fala “não, não pode” ele tipo que ignora, e continua com o papo esquisito.
    Esse episódio ainda me lembrou os fatos recentes em nosso país de implementação da ideologia de gênero em nossas escolar mesmo que os alunos não estejam interessados (me lembrou do vídeo de uma professora forçando um menino de 5-6 anos a usar batom, mesmo ele se recusando a fazer isso)

    Não sei se vai concordar comigo mas foi essa a carapuça que me serviu.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s