Beauty and the Beast: Sobre a Fera, Gaston, redenção e vilania.

Hoje eu vou começar propondo um desafio: procure na internet por um top10 filmes Disney de todos os tempos, escolha o top10 do site que você mais confia, e voilá: o site citou Beauty and the Beast? Altas chances de ter citado. Muito altas.

Vamos só por exemplo conferir a opinião do The Wire.
Vamos só por exemplo conferir a opinião do The Wire.

E se formos mais distantes, e procurarmos por top10 filmes animados de todos os tempos? Ainda achamos Beauty and the Beast na lista? Wow, sério que achamos? Impressionante.

E também é a opinião do Buzzfeed. Para ver o ranking completo dos 54 filmes Disney do pior pro melhor clique aqui, http://www.buzzfeed.com/louispeitzman/walt-disney-animation-studios-film-definitive-ranking#.jpvlwDQp0
E também é a opinião do Buzzfeed. Para ver o ranking completo dos 54 filmes Disney do pior pro melhor clique aqui.

Ok, admito que existe a chance do leitor que realmente tenha ido verificar se o filme é tão citado assim em top10s, ter por coincidência visto uma lista que não menciona o filme. É bem arriscado dizer qual será a opinião de um estranho na internet, mas esse é um filme em particular que é bem unânime. Muito difícil que o 30º Longa Animado da Disney não seja mencionado como um dos grandes pilares da Renascença da Disney nos anos 1990, ou que não seja mencionado por ser a primeira vez que uma animação foi indicada ao Oscar de melhor filme.

E também é a opinião do IGN... dentre muitos outros portais de entretenimento, independente de qual seja o que você mais confia.
E também é a opinião do IGN… dentre muitos outros portais de entretenimento, independente de qual seja o que você mais confia.

Em resumo, é um filme de grande reputação.

Falo isso, porque eu nunca achei o filme grande coisa. Tipo, é melhor do que as bombas que a Disney já fez, nenhum Black Cauldron, passa longe disso. Mas muito abaixo das grandes produções do estúdio, principalmente se comparado com os filmes que saíram na mesma fase como Little Mermaid, Alladdin, The Lion King, The Hunchback of Notre Dame e Tarzan, todos ótimos.

Ah, mas eu dava meu braço para essa obra-prima ter um terço da reputação que The Beauty and the Beast.
Ah, mas eu dava meu braço para essa obra-prima ter um terço da reputação que The Beauty and the Beast.

Acho que o que mais me incomoda no filme é a dinâmica entre mocinho e vilão que se extrai da Fera e do Gaston, e a temática de redenção que o filme sugere que passaria, mas é visto muito superficialmente no filme.

A Fera não tem um heroísmo o suficiente que me faça realmente conseguir olhar para ele e dizer que ele é realmente melhor que o Gaston, e portanto, que a designação de que um é bom e o outro é mau seja justa. Não foi a única vez que a Disney tentou fazer uma dualidade entre aquele que parece um homem mas é um monstro e aquele que parece um monstro, mas é um homem (Hunchback of Notre Dame resgatou o tema triunfantemente poucos anos depois de Beauty and the Beast), soou como se fosse um trabalho incompleto, o paralelo entre dois personagens.

Mas vamos ao filme:

O filme abre contando-nos o passado do príncipe antes de virar Fera. Alguns anos depois a Disney se tocou que o príncipe nunca foi nomeado e deu a ele o nome de Adam, que eu vou usar, mas que fique notado o enorme vacilo que é o protagonista não ter um nome (já que ele em si não atendia pelo nome de Fera, era um termo pejorativo que usavam contra ele).

Adam

Mas enfim, o filme começa nos contando a história de Adam. Adam era um jovem príncipe que vivia em um castelo, ele tinha absolutamente tudo o que ele queria, e era mimado, egoísta e escroto com as pessoas a sua volta. Um dia uma senhora idosa apareceu no castelo em uma noite de inverno. Ela queria abrigo para se proteger do frio por uma noite e ofereceu ao príncipe uma única rosa em troca de abrigo. Porém o príncipe, com aversão a aparência horrível da velha, rejeitou o presente e expulsou ela do castelo. A idosa disse que Adam não devia se deixar levar pelas aparências, pois beleza era algo que existia no interior, porém o príncipe ignora ela e bate a porta na cara dela. A idosa então revela que ela era, na verdade, desde o início, uma jovem e bela feiticeira. Adam viu que fez merda e tentou se desculpar para a bruxa, mas era tarde demais, ela viu que no coração de Adam não existia amor, e como punição, ela transformou ele em uma horrorosa Fera e lançou uma magia em todo o castelo… e em todos que vivem nele. Envergonhado de sua forma monstruosa, o príncipe se isolou dentro de seu castelo, tendo apenas um espelho mágico para observar o mundo exterior. E a rosa que ela ofereceu lá no começo era, na verdade, uma rosa encantada, que perderia todas suas pétalas no 21º aniversário de Adam. Se até lá ele aprendesse a amar outra pessoa e ser amado de volta, então a magia será quebrada. Se ele não conseguir, ele será uma Fera pelo resto da vida. E enquanto os anos passavam ele se desesperava perdia a esperança, pois quem poderia amar uma monstro?

Beast

Ok. Tem tanta coisa errada nessa introdução que eu nem sei por onde começar.

Espera ai, eu sei sim. Pela feiticeira. Esse personagem que sempre me incomodou. Ela apesar de não precisar, se disfarçava de idosa para poder testar o caráter dos outros, e quem falhava no teste ela pune. Quem ela pensa que é? Ela não ia realmente se foder no frio do inverso fora do castelo, ela foi lá só para amaldiçoar o príncipe. Prova disso é que a rosa que ela ofereceu estava enfeitiçada desde o começo. Ela foi lá na maldade só para dar uma de justiceira e acabar com a vida do Adam. Não é diferente de gente que amarra os outros no poste pra linchar.

EnchantressAdam
Reparem na expressão prepotente dessa maldita se achando muito superior pelo que está fazendo.

Mas isso não é nada! Ela puniu todos os que moravam no castelo, que não foram rudes com ela, que eram só empregados ganhando uma merda de salário e servindo a realeza. Que cuzona da porra, que culpa a faxineira tem se o patrão é um cuzão? É a idade média. Parece que ela escolheu ser faxineira de um príncipe cuzão? Parece que ela curte muito o trabalho dela? Pra que punir essa boa gente, dona feiticeira? Só porque você pode? Vai se foder.

Eu nessa cena contei umas cem vassouras pelo menos. Ou seja, cem criados que foram transformados em vassoura, fora os que foram transformados em todos os outros objetos do castelo. O número de vítimas inocentes dessa liçãozinha de moral é alto demais.
Eu nessa cena contei umas cem vassouras pelo menos. Ou seja, cem criados que foram transformados em vassoura, fora os que foram transformados em todos os outros objetos do castelo. O número de vítimas inocentes dessa liçãozinha de moral é alto demais.

Na minha opinião em vez de fazer a batalha final ser contra o Gaston, deveria ser contra essa feiticeira, é tudo culpa dela. Ela resolveu bancar a justiceira e mexeu com quem tava quieto, pois sabia que ia se safar.

E agora está a solta punindo mais gente por ai, e nunca mais é sequer mencionada no filme. Era pro Adam ter pesadelos com ela toda noite.

Na releitura moderna que a história teve em 2011, Beastly, a bruxa ganha nome, e tem sua relevância na história aumentada, então não é como se fosse muito impensável aprofundar um aspecto tão importante para a história.
Na releitura moderna que a história teve em 2011, Beastly, a bruxa ganha nome, e tem sua relevância na história aumentada, então não é como se fosse muito impensável aprofundar um aspecto tão importante para a história. A propósito esse filme é bem ruim, não recomendo.

Mas voltemos ao filme que nem começou direito.

Agora que já fomos apresentados ao Adam, vamos ser apresentados à Belle, nossa heroína. Belle é uma jovem curiosa que chama a atenção de todos na vilazinha pequena e conservadora onde ela mora, aonde todos se interessam muito por ela. Isso se deve a dois motivos, o primeiro é que ela é a garota mais bonita da cidade na opinião de todos da cidade. O segundo é que ela lê, e uma mulher que lê é algo que deixa todo mundo ao redor intrigado.

Pera ai, nossa heroína é uma leitora? Uma mulher de cultura? Uma mulher pensante e informada em meio ao conservadorismo do interior? Ah, e o que é que ela lê? Vamos vê-la resumir seu livro favorito:

“É meu favorito. Lugares distantes, lutas de espadas, magia e um príncipe disfarçado.”

Ahn? Um conto de fadas é seu livro favorito? Não! Isso deve ser só fachada, olha só, agora ela vai explicar a parte favorita dela no livro favorito dela, deve ser algo que mostra melhor o real conteúdo do livro:

“Ah, não é maravilhoso? É minha parte favorita, pois vejam: é quando ela encontra o príncipe encantado, mas só vai descobrir que é ele no capítulo 3.”

Pois é. Belle lê somente contos de fada. Quem achava que ela estava lendo grandes pensadores de seu tempo se equivoca feio, ela não lê nada muito complexo, só histórias com princesas, príncipes, magias e final feliz. Nada muito intelectual.

Mas ainda sim, a vila dela é tão conservadora, que ela se sente incompleta vivendo no meio daquela galera que faz uma fã de João e o Pé de Feijão soar como a pessoa mais culta da cidade no contraste.

E por isso todos na cidade acham ela estranha, curiosa e intriga, ninguém realmente trata ela mal, são todos muito educados e corteses com a garota, mas o estranhamento é o suficiente para ela se sentir muito deslocada e querer mais da vida do que ter que conviver com essa gente provinciana.

Mas tem uma pessoa na cidade que vê algo nela que o resto da cidade não vê. Gaston, o caçador da cidade e o vilão do filme. Gaston, assim como o resto da cidade, acha que não tem nenhuma garota mais bonita que Belle na cidade, e ele sabe que ele é o homem mais bonito na cidade, e por isso, mesmo sabendo que muitas garotas na cidade desejam muito ele (incluindo umas trigêmeas que pelo jeito que se comportam, não parece que ligariam de ter uma relação a quatro com o Gaston), mesmo assim, Gaston decide que é com Belle que ele quer se casar, pois beleza pra ele é tudo.

“Na cidade somente ela, é tão bela quanto eu, então fiz planos para conquistar e me casar com Belle.”

E devo dizer, mesmo se Belle não fosse uma mulher mais progressista que a mentalidade conservadora de sua vila, ainda sim acho incrível como Gaston poderia não levar um fora de qualquer outra garota que ele abordasse. Ele encara Bela, joga o livro dela na lama, tira sarro do livro por não ter ilustrações (sendo que o livro claramente tem, dá para ver em uma das imagens desse post logo acima), fala que se Bela continuar a ler ela vai começar a pensar e isso deve ser evitado (ele definitivamente não tem ideia do que ela está lendo, nota-se), e fecha com chave de ouro rindo do pai de Bela e chamando o pobre Maurice de louco. Zombe da garota, desrespeite ela, danifique as coisas pelas quais ela tem afeto e fale mal do pai dela, esse é o caminho da sedução.

Sim, Belle é filha de Maurice, esse inventor louco que ninguém na cidade respeita. Não que nem fazem com Belle, pois Maurice não é a garota mais bonita da cidade, então ele é tratado mal de verdade e sofre bullying. Belle é a única pessoa com quem consegue conversar e vice-versa. Mas agora, talvez a vida de Maurice mude, pois ele acabou de inventar um cortador de lenha e vai tentar vender sua invenção na feira.

Maurice, o pai de Belle, um inventor de sanidade constantemente questionada (injustamente)
Maurice, o pai de Belle, um inventor de sanidade constantemente questionada (injustamente)

Porém Maurice se perde, é atacado por lobos, perde seu cavalo e sua invenção, e é perseguido por lobos até chegas no castelo do Príncipe Adam. Ele sabe bem que vai morrer se ficar com os lobos, então ele entra no castelo, mesmo sem um convite. E é recebido com uma estranha hospitalidade do empregado do castelo, Lumiére, e de vários outros.

Se tem algo que eu respeito nesse mundo é gente que sabe oferecer hospitalidade, Lumiére está de parabens.
Se tem algo que eu respeito nesse mundo é gente que sabe oferecer hospitalidade, Lumiére está de parabens.

Todos menos Cogsworth, que é um chato que só fica falando do que as regras proíbem de fazer e cortando o barato de todo mundo. Conhecem esse cara? Cogsworth é definitivamente esse cara, mas todos os outros empregados do castelo, entendem a situação de Maurice e fazem o que podem para ele se sentir em casa depois de quase ser devorado por lobos.

E deve ser notado, são todos objetos. Sim, pois lembram da maldição da feiticeira atingir os empregados também? Pois é, todos viraram objetos do castelo, presos a uma forma desumana, para pagar pelos pecados do patrão. Lumiére é um e candelabro, Cogsworth é um relógio, e por ai vai.

Até o cachorro, a feiticeira não poupou nem o cachorrinho de sua maldição cruel. Gente, qual a necessidade disso?
Até o cachorro, a feiticeira não poupou nem o cachorrinho de sua maldição cruel. Gente, qual a necessidade disso?

E por falar nos pecados do patrão…

Adam aparece, dá uma intimidada em Maurice e decide que sendo Maurice um invasor, ele merece ser tratado como invasor e ser jogado em uma masmorra.

-Eu só queria um lugar pra ficar. -Eu vou te dar um lugar pra ficar.
-Eu só queria um lugar pra ficar.
-Eu vou te dar um lugar pra ficar.

Agora, vamos ver isso melhor. Adam foi punido anos atrás por sua atitude, quando se recusou a dar asilo a uma senhora idosa em necessidade. Nesses anos amaldiçoado ele ficou anos repensando sua atitude? Não, ele é tão bostão quanto era antes da maldição, e na primeira chance de se recusar a dar asilo a um homem idoso em necessidade ele age com violência e enfia o coitado em uma masmorra.

MauriceAdam

Isso tudo para mostrar que Adam é tão merda quanto ele era no passado. Não sei quantos anos se passaram, mas ele obviamente não melhorou em nada.

Agora, enquanto isso, Gaston novamente tenta se casar com Belle, dessa vez ele muda um pouco a abordagem. Ele entra na casa dela sem ser convidado, enfia as botas cheias de lama no livro que ela estava lendo, e força uma aproximação física que dá a impressão de que se essa cena fosse cinco minutos mais longa se tornaria um estupro. Porém, Belle resolve toda a situação, meramente jogando Gaston pra fora de sua casa e fazendo ele cair na lama.

“Eu vou ter Belle como esposa! Não se engane quanto a isso.”

Agora Gaston está humilhado. Não é mais mera questão de querer comer a garota mais bonita da cidade, agora é o orgulho ferido de quem ouviu um não pela primeira vez na vida. O que me faz pensar nos valores dessa época em que o filme se passa, pois eu genuinamente não consigo conceber um cara tão escroto recebendo um sim. Mas o filme dá a impressão de que qualquer outra garota que não a Belle adora um homem que pisa com a bota enlameada em algo que ela ama. As trigêmeas estão ai para constantemente nos lembrar disso.

As trigêmeas, representantes de toda a aprovação feminina que o Gaston recebia em sua vila.
As trigêmeas, representantes de toda a aprovação feminina que o Gaston recebia em sua vila.”

Belle vai pras colinas desabafas o quão enojada ela ficaria de ser casada com Gaston, e o que ela quer da vida é bem diferente disso.

“Eu quero aventuras no grande e selvagem desconhecido. Eu quero isso mais do que posso dizer. E só uma vez eu queria ter alguém que entendesse que eu quero muito mais do que o que planejaram pra mim.”

Mas é interrompida, pois o cavalo de seu pai volta até ela. Ela percebe que se Maurice e o cavalo se separaram, é porque deve ter dado algo errado na feira e vai procurar o pai. E o cavalo a guia precisamente até o castelo onde Maurice é prisioneiro. Vamos ignorar que o cavalo se separou de Maurice bem antes dele encontrar o castelo, pois Belle vê o chapéu do pai dentro dos portões e conclui que é lá que seu velho pai está.

E encontra ele em uma masmorra, todo coitadão, tossindo e doente. Belle implora para Adam que solte seu pai, mas a Fera se recusa, e afirma que Maurice merece tudo isso, pois invadiu o castelo. Agora Maurice é um prisioneiro, e não tem nada que Belle possa, fazer. Mas a garota oferece um acordo para Adam. Se ela for a prisioneira no lugar do pai, então Maurice estaria livre para ir embora.

Prisioneira

Maurice é contra a ideia, ele já viveu a própria vida, não precisa que Belle sacrifique a liberdade dela por ele. Mas Adam gosta da proposta, afinal, para ele uma prisioneira mulher é mais útil que um prisioneiro homem. Afinal, se Belle fosse a garota a se apaixonar por ele, a maldição se quebraria. Então a troca foi feita e Belle sacrifica completamente sua liberdade para virar prisioneira de um monstro violento, pois ela não suportava ver o pai sofrendo maus tratos.

“Ela não é mais sua para se preocupar.”

Bom, agora a troca foi feita, Adam enfia Maurice em uma carruagem para a vila sem nem deixar Belle se despedir do próprio pai. Lumiére que não é idiota nota logo de cara que se Belle for ser tratada do mesmo jeito que Maurice estava sendo, então não adianta nada ter uma mulher no castelo, que ela nunca vai se apaixonar por Adam. Então Lumiére começa a dar umas dicas de como Adam podia fazer o básico: Como por exemplo por ela pra dormir em um quarto e não na masmorra.

“diga algo para ela”

Sabem? O mínimo?

Adam diz que Belle mora no castelo, e que portanto pode frequentar qualquer região do castelo, exceto a Ala Oeste. E que se precisar de alguma coisa, os servos dele a atenderiam (porque chamar de empregado seria respeitoso demais, vindo desse nobre cuzão). Lumiére fala que seria uma boa convidá-la para jantar, e Adam resolve avisar Belle que ela será obrigada a jantar com ela e que recusar não será uma opção.

Muito tato, Adam, ela acabou de se separar do pai e de toda a vida dela.

De volta ao Gaston, ele está puto. Muito puto. Gaston está acostumado a ter o que quer, e dessa vez não rolou. Gaston é mimado, extremamente apegado a beleza física e rude com todos a sua volta… parece até com outro personagem do filme.

LeFouGaston

Ele está no bar recebendo apoio dos parça da cerveja, e tendo um momento de brotheragem masculina onde ele se gaba de seus pelos no peito e da habilidade de cuspir enquanto troca tabefes com os amigos. E essa camaradagem toda anima o espirito dele. Porém a alegria dele é interrompida quando Maurice entra no bar e tenta explicar pra todos que Belle agora é prisioneira de uma Fera monstruosa e cruel. E a reação de todos no bar é fazer bullying em Maurice, pois é isso que eles fazem. E Maurice vê que ninguém acredita que exista uma Fera no castelo próximo a vila, e ninguém vai ajudá-lo a salvar Belle.

BullyingMaurice

Já Belle está sendo consolada pelas empregadas do castelo, uma que não foi nomeada, mas que é o armário de Belle, e Mrs Potts, a chaleira do castelo. Mrs Potts está acompanhada de seu filho Chip, uma xícara. Sim, pois a feiticeira não poupou nem os filhos do empregado em sua maldição, atacou uma criança pelos crimes do patrão da mãe. Enfim, as duas estão tentando fazer Belle se sentir melhor por ser prisioneira de um monstro violento e cruel, quando chega a hora do jantar, e Belle decide que embora recusar não seja uma opção ela vai recusar mesmo assim.

-Porque ela não está aqui ainda? -Tente ser paciente. A garota perdeu o pai e a liberdade no mesmo dia.
-Porque ela não está aqui ainda?
-Tente ser paciente. A garota perdeu o pai e a liberdade no mesmo dia.

O que irrita Adam pra caralho, e mesmo que Lumiére e Mrs Potts tentem dar conselhos de não ser um escroto com a garota cujo objetivo dele é seduzir, e exatamente o que Adam faz, e decide que se Belle não come acompanhada dele, ela não come em nenhum outro contexto, e proíbe os empregados de alimentá-la.

“Se ela não come comigo, ela não come de maneira alguma!”

Mas os empregados estão tão felizes por ter uma visita depois de tantos anos isolados da sociedade, que não só alimentam Belle mesmo com a proibição, como dão uma puta de uma festa ao fazer isso.

beourguest
Por coisas como essa que os empregados são os mais carismáticos do filme.

Sabem, acho que dentre vários temas que esse filme aborda mal, a importância da hospitalidade, é um dos temas que o filme aborda bem. Pensem bem, tudo começou, pois Adam não soube ser um bom anfitrião. Gaston estava sendo um péssimo hóspede quando Belle o jogou na lama. E os empregados, o grande carisma do filme, sempre enfatizam o quanto é importante fazer uma visita se sentir em casa. Valores que Adam e Gaston, dois escrotos, não possuem. Gosto disso.

E depois de receber um puta jantar, Belle aproveita o embalo de desobedecer a Fera e resolve invadir a Ala Oeste sozinha, única região do castelo que ela não tinha permissão de entrar. Lá ela encontra a rosa encantada da feiticeira, e tenta tocar nela, porém Adam aparece, e dá um esporro nela. E ela foge de medo de ser ferida pela Fera.

BelleAdam

E já que ela já não está nem ai, ela foge do castelo, concluindo seu primeiro dia no castelo fazendo todas as três únicas coisas que ela não tinha permissão de Adam de fazer. E assim que ela sai do castelo ela se depara com eles, os lobos que atacaram o pai dela. E ela tenta fugir, mas quase é devorada pelos lobos se Adam não aparecesse para pegar sua prisioneira de volta. Ele ataca e afugenta todos os lobos, mas é bem ferido no processo.

LoboAdam

Agora Belle tem duas opções. Ela pode aproveitar que está a salvo e voltar para sua vila e para sua vida e pro seu pai, mas no processo deixar o homem que aprisionou seu pai, aprisionou ela, exigiu que ela passasse fome e estava atacando ela até meia hora atrás, pra morrer no meio da neve. Ou ela pode resgatar o homem que aprisionou seu pai, aprisionou ela, exigiu que ela passasse fome e estava atacando ela ato de afeto, e Belle devia ser esperta o suficiente para notar isso. Sabemos que Adam só quer seduzir Belle, pois é a única garota que interagiu com ele desde a maldição e ele precisa urgentemente de uma namorada para não ser amaldiçoado pelo resto da vida. Nada nessa relação é pessoal, mas Belle toma no pessoal e resgata Adam.

Eles voltam no castelo, onde Fera explica para Belle que tudo aconteceu por culpa dela, por ter fugido. Como se fosse muito louco e prazeroso ser uma prisioneira pelo resto da vida, olhem como o Adam é cuzão. Mas Belle responde Adam na cara sem medo e fala que a culpa é do Adam por ter tido um acesso de raiva. Adam se cala e deixa ela cuidar das feridas de lobo. E parece que agora eles já vão conseguir lidar melhor um com o outro.

Acho que esse é o começo de uma grande amizade.
Acho que esse é o começo de uma grande amizade.

E esse foi o primeiro dia de Belle no castelo, minha gente. A síndrome de Estocolmo bateu forte, nem parece que a Fera tinha o pai dela trancado na masmorra dez horas antes dessa cena.

E por falar em pai da Belle trancado, esse é o plano de Gaston. Ele agora está subornando o dono do hospício para prender Maurice na casa dos loucos, para assim chantagear Belle, falando que só solta Maurice se ela se casar com ele. Mas Maurice não está mais em casa, pois ele resolveu ir sozinho até o castelo resgatar a filha.

GastonSuborno

E com isso o filme encerra a parte de como foi o primeiro dia de Belle no castelo de Adam. Ela conheceu Adam mantendo seu pai em uma masmorra mesmo doente, ele ameaçou Belle com violência, forçou ela a passar fome, foi rude, egoísta, sem senso de hospitalidade e maltratou idosos. Esse é Adam, fazendo o que ele sempre fez a vida toda.

A partir desse ponto do filme em diante. A partir exato dos 52 minutos de filme, absolutamente nenhum desses defeitos de Adam se repetirão. Ele nunca mais vai ser indelicado com ninguém, seja Belle ou os empregados, nunca mais vai gritar, ser violento, ter um ataque de raiva nem nada. A partir desse ponto do filme ele e Belle já são bons amigos, e se dão muito bem um com o outro.

Não fica claro quanto tempo se passou, pois temos uma montagem de vários momentos de Belle e Adam sendo amigos fofos, com ênfase em Adam dando a biblioteca dele para Belle, e em Adam chateadão por não conseguir dar comida pros passarinhos, pois os passarinhos têm medo dele.

ospassarinho

Sim, o homem que acha que o Maurice tinha mais é que ter sido comido por lobos e que a idosa com frio tinha mais que se foder, na real sempre quis ser amigo dos passarinhos.

O filme não foca em como a presença da Belle gradualmente o tornou uma pessoa melhor, ele muda do dia pra noite e muda para uma personalidade tão oposta a que ele tinha que é praticamente como se fossem dois personagens diferentes. O que faz sentido, visto que o outro personagem era praticamente um Gaston monstruoso (e que portanto não tinha a arrogância do Gaston, pois tinha repulsa pela própria aparência), e a partir desse ponto do filme a Belle tem que se apaixonar por ele.

Eles comem juntos, jogam bola de neve um no outro, se divertem, ela ensina Adam a ler, e eles dançam uma dança romântica, tudo com Lumiére, Cogsworth e todos os outros fazendo um grande clima para ver se rola algo. Ao final disso tudo, Adam pergunta para Belle se ela é feliz morando com ele no castelo. E ela diz que sim, que ela é muito feliz sendo mantida em cativeiro pelo cara que atacou o pai dela (ela não usa esses termos, pois está com Síndrome de Estocolmo). Mas ela menciona sentir saudades do pai.

beautyandthebeast

Adam, que agora deixa ela entrar na ala Oeste, leva Belle até seu quarto e mostra o espelho mágico que a feiticeira deu a ele, para ela ver o pai pelo espelho. E ela vê que o Pai está caído no chão, ainda tentando ir a pé até o castelo resgatar a filha, doente e cansado e na merda. Belle fica assustada achando que o pai vai morrer antes de chegar ao castelo. Adam vê que Belle está abalada com o pai idoso largado pra morrer e liberta ela. Ele declara que ela não é mais uma prisioneira e pode sair do castelo para ir ver o pai.

“Você deve ir cuidar dele. Eu te liberto. Você não é mais minha prisioneira.”

E dá para ela o espelho, para ela sempre poder ver como ele está.

E Belle vai. Ela agradece Adam pela gentileza da parte dele de não mantê-la prisioneira, e vai embora, deixando Adam na fossa. E todos os empregados ficam desesperados.

Belle resgata seu pai e volta com ele pra vila, onde eles são recebidos por uma multidão com tochas exigindo a internação de Maurice no hospício, conforme o plano de Gaston. Belle fica assustada, e ela percebe que enquanto ela esteve longe, Maurice gritou que ela estava sendo prisioneira de uma fera assustadora e cruel. Gaston fala que ele consegue limpar a barra de Maurice e impedir que ele passe o resto da vida no hospício se ela se casar com ele.

BelleGaston

Agora quero que prestem atenção. Bela foi apresentada a um dilema sério. De um lado ela pode impedir que seu pai doente, que ela já demonstrou que ama muito, fique o resto da vida encarcerado e sofrendo de maus tratos. Mas ao fazer isso ela aceitou passar o resto da vida convivendo com um psicopata que é justamente a pessoa que causa esses maus tratos ao pai dela… parece familiar essa proposta que o Gaston fez?

Todo mundo que quer pegar a Belle, a primeira coisa que faz é trancafiar o velho, coitado desse cara.
Todo mundo que quer pegar a Belle, a primeira coisa que faz é trancafiar o velho, coitado desse cara.

É praticamente o mesmo dilema de Belle no começo da história, quando ela aceita ser prisioneira de Adam para salvar o pai. Com a única diferença que ela mesma teve a ideia de ser prisioneira de Adam, mas no caso de Gaston, foi ele quem propôs a ideia de Belle casar com ele. Mas a situação é igual.

Mas aparentemente para Belle essa simetria é absurda e inexistente, pois ela fica enojada com a proposta, e resolve apelar para a terceira opção. Salvar o pai provando que o pai estava certo, e com isso, ela prova para todos da vila que existe sim uma Fera que estava mantendo ela prisioneira em um castelo próximo a vila. Depois dessa revelação ela tenta explicar que a Fera na verdade é uma pessoa de bom coração e gentil e não deve ser levada pela aparência, mas é tarde demais, o povo da vila está em pânico com o bicho.

Mas Gaston percebe na hora que Belle tinha razão, e que Belle estava muito atraida pela Fera, então ele usa do pânico da vila para convencer todos da vila a irem matar a fera. E prende Belle e Maurice para impedir que eles ajudem o monstro.

AngryMob

E então Gaston vai matar seu rival, enquanto o resto da turba fica brigando com os objetos enfeitiçados (briga que perdem), Gaston vai direto até a Fera, que está muito na fossa para brigar de volta. Adam acabou de perder a garota por quem ele está apaixonado, ele queria estar morta, então ele só fica lá com cara de deprimido apanhando do Gaston. Até que ele vê.

GastonAdam

Belle voltou, veio tentar salvar o amado.

Bellevolta

Agora Adam tem pelo que lutar, e ele senta o cacete em Gaston. Quebra o caçador até ele implorar por piedade. E Adam, agora que é uma pessoa decente, é piedoso com Gaston.

Lembra como ele foi piedoso com Maurice e com a Feiticeira? Bom, agora é um novo homem.

Ele solta Gaston e manda Gaston ir embora e nunca mais voltar. E vai para os braços de Belle, sua amada. Mas Gaston como o mau perdedor que é, apunhala Adam nas costas e então escorrega sozinho e morre.

Gastonmorre

Sim, ao final ele resolve fazer um ato covarde que custaria sua vida. Afinal Adam não mataria ninguém e o Gaston não poderia terminar o filme vivo, poderia?

Adam está morrendo da facada, e antes de morrer ele declara seu amor para Belle que afirma que o ama de volta, e isso quebra a magia. E com quebrar a magia eu quero dizer que Adam volta a ser humano, e a facada na barriga é curada no processo. O que não faz muito sentido, não era para ele estar na forma humana e ainda morrendo?

kiss

E todo mundo volta a sua forma original. Os empregados voltam a ser humanos. E o castelo perde seu estilo gótico para voltar ao estilo clássico, pois a feiticeira claramente atribuía muito juízo de valor em relação aos estilos artísticos. Porque um estilo arquitetônico é a forma amaldiçoada? O castelo era bem mais legal com gárgulas do que com anjos.

antes

depois
pois eu acho muito mais bonito com a gárgula. Foda-se esse anjo ai.

Agora que Adam é humano ele se casa com Belle, e ela vira uma princesa. E os dois vão viver felizes para sempre.

E os sonhos da Belle de ser livre e se aventurar no desconhecido e não viver cercada de conservadorismo, bem ela desistiu de todos esses sonhos para casar. Pois ela agora faz parte da nobreza francesa.

“Eu quero aventuras no grande e selvagem desconhecido. Eu quero isso mais do que posso dizer. E só uma vez eu queria ter alguém que entendesse que eu quero muito mais do que o que planejaram pra mim.”

Queria ver se essa história se passasse mais perto da revolução francesa… seria interessante.

FIM DO FILME!

Esse filme me incomoda. Em especial, porque em suas primeiras impressões, Adam e Gaston possuem exatamente os mesmos defeitos. A mesma falha de caráter. E Adam só perde seu narcisismo, pois assume uma aparência grotesca. Porém esses dois homens que começaram iguais, um deles ganhou redenção e o outro ganhou a morte, e o que determinou isso não foram as escolhas pessoais deles, e sim a escolha pessoal de terceiros, no caso a Belle.

A Belle resolveu enfrentar Adam em seu cativeiro e sua companhia fez de Adam um ser humano melhor, Adam se transformou completamente em alguns dias, e eles conseguiram formar uma amizade onde antes não existia. Se Belle tivesse casado com Gaston ela poderia fazer o mesmo com ele? Porque Gaston era irredimível? Claro que os interesses dele com Belle não eram românticos, mas os de Adam também não eram, eram extremamente egoístas, aprisionar uma garota e forçar um romance até ela se apaixonar, pois ele precisava da maldição quebrada para não ter vergonha e medo do mundo exterior.

-Mestre, já pensou que talvez essa garota possa ser aquela que vai quebrar a maldição. -Claro que pensei nisso, não sou idiota!
-Mestre, já pensou que talvez essa garota possa ser aquela que vai quebrar a maldição.
-Claro que pensei nisso, não sou idiota!

Se Gaston tivesse acreditado em Maurice, e fosse ao castelo e tivesse matado Adam no dia que Belle foi aprisionada e tirado ela de sua prisão…. Ela teria dado uma chance ao Gaston? Que nem deu a Adam quando ele matou os lobos que estavam atacando ela?

Por que Gaston morreu? Ele é o vilão do filme, mas é um vilão relativamente mais realista cujas grandes ambições não envolvem maldades em larga escala. Não é como se ele fosse a Malevola, ou a Rainha da Branca de neve, ou o Scar ou o Frollo. Ele era um tremendo cuzão, mas um tipo de cuzão que na vida real encontramos um em cada esquina, provavelmente tinha um cara tão escroto quanto o Gaston na sua classe no colegial ou na faculdade. E ai, esse cara merece a morte? A Disney já poupou a vida de vilões menos ambiciosos no passado, a Madrasta da Cinderella não morreu. Nem o caçador do Cão e a Raposa. Não é que ele não seja um escroto, mas é que ele recebeu um tratamento diferenciado em comparação aos outros escrotos.

O povo da vila que pensavam da mesma maneira que Gaston em tudo? Eles sobreviveram ao ataque os empregados do castelo. Adam? Ele teve a chance de repensar sua maneira de agir e conseguiu ser feliz para sempre. A feiticeira? Deve estar até hoje fazendo justiça com as próprias mãos pelo mundo. Não sinto que Gaston foi tratado com justiça. Quando Belle fala “Ele não é um monstro, Gaston, o monstro é você.” me soa como se estivessem querendo deixar claro que os dois são muito diferentes, quando eles tem muito em comum.

“Ele não é um monstro, Gaston. O monstro é você.” olhem o olhar de desprezo por Gaston que Belle solta.

Pois eu não vou realmente ficar do lado do Gaston, ele era machista, atrasado, escroto e provavelmente estupraria a esposa constantemente, fosse ela Belle ou qualquer outra e tinha que se foder. Só acho que o tratamento dele foi muito diferenciado em relação a outros personagens semelhantes. No geral eu acho um dos filmes Disney com pior trabalho de personagem. O vilão recebe um tratamento bem escroto, a heroína abandona suas ambições do nada, o herói muda de personalidade no meio do filme com um desenvolvimento que ocorreu offscreen, e a real vilã nunca tem suas atitudes questionadas e não é mencionada fora do epilogo.

Sério. Alguém detenha essa psicopata.
Sério. Alguém detenha essa psicopata.

Sério… qual é a daquela feiticeira? O que ela ganhou com essa atitude?

10 thoughts on “Beauty and the Beast: Sobre a Fera, Gaston, redenção e vilania.

  1. meus pontos:

    1. a feiticeira não foi lá pra amarrar o príncipe no poste e linchá-lo. como ele é um monarca/governante, é preciso “purificar” esse mando e, portanto, esse foi o meio que se arranjou para testar seu caráter e dignificá-lo. a rosa não era encantada, era uma flor normal; se ele a tivesse aceitado, ficaria tudo ok

    2. punir todos os funcionários: é questionável, mas no filme fica claro tanto o sentido de “lealdade” dos súditos ao jovem príncipe quanto a metonímia príncipe/reino; ou seja, ela encanta o reino, que é um microcosmos, o castelo – note, apesar de o príncipe ter um reino é um reino reduzido que é virtualmente DESCONHECIDO pelas pessoas (os aldeões riem de quem fala do castelo e da Fera). a feiticeira pune o reino todo pela arrogância de seu governante (talvez pela ideia de que eles deveriam ter se rebelado de alguma forma, e erraram por omissão)

    3. Belle não “interessa” a todos na cidade! ela é conhecida de todos, mas é vista com MUITAS reservas e ressalvas. esse ponto está bem equivocado…

    4. preconceito total reclamar das leituras da Belle, hein. como se fabulistas não pudessem dizer grandes “verdades” e como se leitura de fantasia, de Homero e Esopo a Cervantes e Borges, fosse besteira…

    5. ilustrações do livro da Belle, que Gaston diz não ter (SIM, eu já me detive sobre muitos desses problemas): Gaston apenas folheia o livro, não repara direito nele e não perde tempo observando atentamente suas páginas. normal não notar desenho algum rs

    6. a questão de o Gaston ser um puta ogro e ainda assim ser respeitado na sociedade e cobiçado na comunidade: acho que nem preciso comentar como, por n razões (dinheiro, hierarquias de classe, patriarcalismo), isso está longe de ser absurdo, né?

    7. o príncipe age como um animal (irracional, instintivo, violento se se sente acuado) porque… virou um animal! esse é o grande ponto do filme, ué. ele trata mal o pai de Belle porque está completamente despido de sua humanidade. ela que restaurará a humanidade da Fera. note: ele pune Maurice porque ele INVADIU SEU TERRITÓRIO. é uma mordida simbólica!

    8. boa consideração sobre hospitalidade! também não reclamo de tudo rs

    9. o príncipe não muda de um dia pro outro. como dito, passa-se muito tempo (indefinido; o tempo da narrativa é mágico, o que não é uma escusa narrativa mas algo de total sentido diegético: gosto de Lefou esperando na neve durante possivelmente meses…). os passarinhos: a Fera se empolga porque nunca animal nenhum se aproximava de tão grotesca besta

    10. Belle não tem síndrome de Estocolmo. o que une ela e a Fera é que ambos encontram apenas um no outro um tipo de afeto que lhes era negado pela comunidade que habitam ou habitavam (os súditos têm temor reverencial ao príncipe, os vizinhos acham a jovem estranh)

    11. Belle ter se voluntariado para ficar com a Fera e fugir de Gaston não é uma incongruência no caráter da personagem: a Fera era um “monstro”, um “animal selvagem”, era uma ação rápida, como dar uma paulada num cachorro louco; Gaston é um chantagista e “humano”, ela espera convencê-lo pela OPOSIÇÃO DA VERDADE: se seu pai não é louco, não deve ser preso

    12. eu entendo a “ferida regenerada” da Fera como uma pele morta de bicho que agora não fará mais diferença pois o príncipe é humano e aquilo era só um invólucro externo irrelevante…

    13. já pensei muito nisso de “por que ela não regenerou o Gaston também?”. são os acasos da vida. mas o príncipe era “ele por ele”, alguém que podia (e foi) consertado; Gaston sempre se cercou de capangas, tramoias e trapaças, já havia conquistado uma vilania bem mais ESTRUTURAL, creio

    Liked by 1 person

    1. Olá Filipe, concordo com alguns pontos e discordo de outros… mas vamos lá.

      1- A narração deixa bem claro que a rosa era encantada desde o começo. E mesmo se tratando de um governante, não sei, não me sinto no direito de ir até Brasilia pedir esmola e depois atacar todo político que não der. O príncipe estava literalmente cuidando da vida dele quando foi abordado.

      2- Acho interessante isso, a ideia de a punição dada ao governante é aplicada a todo o reino. Como se o reino fosse um reflexo de seu líder (sendo o reino o castelo). Olha, não havia pensado por esse prisma, curti.

      3- Eu usei o verbo interessar no sentido de “ser um assunto” ou “chamar a atenção”, não que o povo da vila simpatize com ela.

      4- Mantenho meu preconceito, até porque não eram fábulas, eram contos de fada. Mais precisamente ela descreve precisamente, João e o Pé de Feijão, e um que é um reflexo da própria história dela (uma garota que encontra um príncipe disfarçado e não nota ser um príncipe.). Além de ir na livraria pegar sempre o mesmo livro. Para mim é claro o aspecto escapista dos livros que ela lia, não para gerar reflexão, mas para compensar o isolamento social que ela fazia na vila.

      5- Sim, isso é fato, Gaston que olhou muito superficialmente o livro e não viu a ilustração.

      6- Pelas pessoas de fora sim, o que me espanta é ele querer ser respeitado pela vítima direta da ogrisse. Não estou familiar com pitboys babacas da atualidade, mas eles abordam as garotas que eles impressionam com dinheiro jogando os pertences dela na lama e ofendendo seus entes queridos? (não foi ironia, foi sério, pareceu muito absurdo o conceito de alguém esperar menos que uma cuspida dessa abordagem)

      7- Não imagino o príncipe tendo ficado tão mais animalesco em sua personalidade. Claro que agora ele ruge de raiva, e tem garras, mas imagino que a atitude dele quando humana fosse bem semelhante a do Gaston, que é um homem violento. No máximo ele meramente ganhou a força física que o permitiu ser violento.

      9- Eu imagino tendo passado no máximo um mês. Por mais longo que possamos esticar, não deve ter passado tanto tempo assim, pois a distância entre a vila e o castelo é de menos de um dia de caminhada, isso dá para ver claramente nas varias idas e voltas feitas ao longo do filme. E bem… Maurice ainda estava no meio do caminho que ele começou no dia 1. Claro ele estava velho e doente e lerdo e talvez até morrendo e isso extendeu em muito a viagem, mas qual é o máximo que pode ter demorado? Acho que foram poucas semanas no castelo. Até porque ninguém na vila acreditava que Belle havia sido sequestrada e iriam notar se ela desaparecesse por muito tempo.

      10- Concordo. É por ai mesmo.

      11- Não acho que a Fera estava representando um animal selvagem. Tanto que ela negociou a troca de prisioneiros e não se negocia com um animal. Só depois que a proposta dela ser prisioneira já havia sido feita que ela olha diretamente pra ele para ver a forma da Fera.

      12- honestamente, eu interpretei como magica sendo magica e relevei quando vi o filme. Mas quis mencionar no post, pois é um detalhe curioso de se apontar, mas longe de eu considerar um erro no filme. Ele foi transformado por magia e se curou. A Disney já sumiu com feridas piores com desculpas menos convincentes.

      13- Eu concordo em partes e ainda completaria que a Fera estava envolta em mistério, e portanto faz sentido a Belle, muito romântica, ter curiosidade quanto a ele e a descobrí-lo (por isso quebrou as regras e visitou a Ala Oeste), o Gaston ela conhece a vida inteira, sabe exatamente o que esperar dele. Acho que o Gaston podia ser consertado sim, mas ele precisaria de uma chance que a Belle nunca daria.

      Mas bons pontos foram levantados, estou seriamente repensando o filme com a ideia do reino refletir a maldição do príncipe. Um monarca amaldiçoado tem súditos amaldiçoados, achei uma ótima colocação.Obrigado pelo comentário.

      Gostar

    1. Ah sim, não só o Estranho Mundo de Jack como o filme do Pateta e muitos outros faltaram na lista do Buzzfeed, isso se deve a uma tecnicalidade de que o Buzzfeed considerou somente os filmes do “Walt Disney Animation Studios”, e o Estranho Mundo de Jack no caso foi feito em outra subdivisão da Disney, em parceria com a Touchstone Studios.

      Uma mera tecnicalidade, mas nos Estados Unidos, é muito comum os fãs separarem somente os 54 filmes do “Walt Disney Animation Studios” como um grupo fechado. A própria Disney considera eles um grupo fechado para a contagem oficial de filmes do estúdio.

      Gostar

  2. Concordo com a maioria dos pontos por ti levantados. Quanto à punição de todos pela postura do príncipe, creio que seja mesmo a punição dos súditos através das atitudes de um mau monarca, o que não tira a escrotice da feiticeira.
    Quanto à relação entre Belle e a fera, vejo como um relacionamento abusivo, embora tenha o elemento síndrome de Estocolmo no conjunto. Uma das caracteristicas de um relacionamento abusivo é que geralmente a parte vitimizada é justamente aquela que se sente sozinha e deslocada no mundo. A Belle era a diferentona da vila, lendo pra cima e pra baixo. É claro que só aparentemente ela era assim, já que pelo conteúdo das leituras dela, percebemos que suas aspirações estavam vinculadas ao modelo patriarcal. É tudo o que o abusador gosta, da possível vítima fragilizada e cheia de arquétipos românticos na cabeça. Ele sabe que se manipulá-la, ela vai cair na dele. Mesmo se ele não a tivesse salvado dos lobos, ela se apaixonaria e veria ” o lado bom” dele. Só realmente é de se pensar porque ela nao tem a mesma postura com Gaston, no início do filme; já que no final ela não cede pois está apaixonada pela fera, uma pobre vítima de feitiço, que só tinha sido cuzão daquele jeito devido as circunstâncias, aham.

    Liked by 1 person

  3. […] E de quebra ainda casou com um marinheiro. Não sei o quanto a vida de princesa entediaria ela, e provavelmente vai vir muita bosta desse casamento mas com um marido que tem o próprio navio e um descaso por protocolos reais as chances dela explorar o grande desconhecido são significantemente maiores do que a de outras princesas rebeldes que tinham esse desejo antes de casar, como a Belle por exemplo. […]

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s